Taça Davis: Portugal joga na Ucrânia pela permanência no Grupo I

A seleção portuguesa de ténis defronta a Ucrânia na primeira eliminatória do 'play off' do Grupo I da Zona Europa/África da Taça Davis, num encontro em Bucha, nos arredores de Kiev, entre sexta-feira e sábado.

Depois de ter sido beneficiada com um 'bye' na primeira ronda e ter cedido perante a Suécia (3-2), na segunda jornada em abril, Portugal vai agora disputar com a Ucrânia a permanência no Grupo I da Zona Europa/África, no piso rápido do Campa Tennis Club, a superfície escolhida pelos anfitriões.

A equipa vencedora garante automaticamente a permanência no Grupo I, enquanto a seleção derrotada terá ainda mais uma ronda de 'play off', no caso diante da África do Sul, para tentar evitar a descida de Divisão.

"Jogar fora ou em casa na Taça Davis tem sempre um papel preponderante e nós temos o nosso historial que nos diz precisamente isso. Esperamos dois dias bastante difíceis. Vai ser duro, mas nós viemos para ganhar", afirmou o capitão da seleção nacional, Nuno Marques, em declarações à Lusa.

Em 2017, Portugal recebeu e impôs-se à formação ucraniana nos 'courts' de terra batida do Clube Internacional de Foot-Ball (CIF), em Lisboa, mas na próxima eliminatória, "além do encontro ser fora e no piso escolhido pelo adversário", o que "é uma vantagem", Nuno Marques defende que vai encontrar uma equipa reforçada.

"A Ucrânia está bem mais forte. Têm o Sergiy Stakhovsky, que é um jogador bastante experiente, bom em singulares e que já ganhou ao João [Sousa] em Wimbledon este ano, e têm ainda o Illya Marchenko, além do Denys Molchanov, que está no top-80 de pares. Vão jogar com uma equipa bastante diferente daquela que jogou no CIF", destaca.

A defender as cores nacionais vão estar João Sousa, 49.º do 'ranking' individual ATP, Pedro Sousa (144.º), Gastão Elias (154.º) e João Domingues (218.º) no confronto com Sergiy Stakhovsky (142.º), Illya Marchenko (337.º), Denys Molchanov (77.º 'ranking' pares ATP) e o estreante de 17 anos, Pavel Shumeiko, orientados pelo capitão Andrei Medvedev.

Apesar das teóricas vantagens de jogar em casa e na superfície preferida, "embora num campo lento dentro dos pisos rápidos e 'outdoor', o que é do agrado" dos portugueses, Nuno Marques revela não ter certeza se "atribuiria o favoritismo à Ucrânia" na próxima eliminatória.

"Acho que se jogarmos bem, temos muito boas possibilidades de ganhar e esse é o objetivo".

Favorável às pretensões de Portugal, além de uma equipa com melhor classificação no 'ranking' mundial, são ainda as recentes conquistas de João Sousa, que se tornou no primeiro português a jogar os oitavos de final de um Grand Slam, no US Open, e de Pedro Sousa no Circuito ATP Challenger, que segundo o capitão português dão ainda maior motivação à equipa.

"Estamos muito contentes. O João fez um excelente torneio no US Open e o Pedro ganhou recentemente o Pullach Challenger, apesar de ter sido em terra batida", elogiou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.