Taça da Liga: Benfica - FC Porto (declarações 2)

Declarações à SportTV após o triunfo do FC Porto por 3-1 sobre o Benfica, nas meias-finais da Taça da Liga de futebol, em Braga.

Sérgio Conceição (Treinador do FC Porto): "Sinceramente, não me apetece muito falar do jogo. Podia falar da maturidade da nossa equipa, da pressão alta da primeira parte, dos problemas que criámos ao adversário, e foi dessa forma que nasceu um dos golos.

Naturalmente, demos mais campo ao Benfica na segunda parte. Depois saímos, fizemos um golo em transição. O Benfica teve uma ou outra oportunidade, provocadas por erros nossos

Sabíamos por onde o Benfica poderia criar perigo, mas não me apetece. Podia falar de tourada -- em pegar o touro pelos cornos, como se diz em bom português -, mas também não vou falar disso, pois tenho respeito pela instituição Benfica.

O meu pensamento e coração vai para a família do Emiliano Sala, que foi meu jogador meu no Nantes. Um homem fantástico. E que seguramente neste momento a família está a sofrer muito. E nós, equipa técnica, tínhamos relação muito boa com os jogadores. Sofremos muito hoje com a notícia deste desaparecimento. O meu pensamento mais forte agora é esse.

Foi esse [o motivo pelo qual me correram lágrimas na roda do grupo após o final do jogo]".

Bruno Laje (Treinador do Benfica): "[A diferença?] Marcar os golos. Nos jogos de Guimarães fez a diferença quem marcou e foi isso que aconteceu. O FC Porto marcou três golos e contou. Nos marcámos mais e não contou, fez parte do futebol. Tivemos várias oportunidades para outro resultado. Penso que o resultado certo seria o empate 2-2.

Uma segunda parte muito melhor da nossa parte. Até ao momento em que arriscámos a jogar com dois avançados, o Félix por dentro e o Salvio pela direita, para tentar chegar ao empate. Não conseguimos e o FC Porto numa transição fez o 3-1 e matou o jogo.

[Ao intervalo] Falei do que tínhamos de fazer na segunda parte, não do golo. Foi esse o nosso intuito. Resultou, porque entrámos muito bem. Criámos duas, três oportunidades e podíamos ter feito o empate e voltar ao jogo. Não fizemos, foi pena.

Começamos a sentir a nossa força, estávamos por cima do jogo, o FC Porto a recolher, a passar do '4x4x2' para o '4x3x3' e a partir daí tínhamos de arriscar. Era o momento certo, com eles por baixo. Senti que se marcássemos ganhávamos o jogo. Não marcámos, foi essa a diferença. Criámos várias oportunidades na frente do guarda, não marcámos. Parabéns ao FC Porto que ganhou. Nós vamos continuar a trabalhar.

Podíamos ter vencido o jogo. Acredito muito no que fizemos. Temos tudo para crescer e disputar os jogos todos até ao fim".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.