Taça da Liga: Benfica - FC Porto (declarações 2)

Declarações à SportTV após o triunfo do FC Porto por 3-1 sobre o Benfica, nas meias-finais da Taça da Liga de futebol, em Braga.

Sérgio Conceição (Treinador do FC Porto): "Sinceramente, não me apetece muito falar do jogo. Podia falar da maturidade da nossa equipa, da pressão alta da primeira parte, dos problemas que criámos ao adversário, e foi dessa forma que nasceu um dos golos.

Naturalmente, demos mais campo ao Benfica na segunda parte. Depois saímos, fizemos um golo em transição. O Benfica teve uma ou outra oportunidade, provocadas por erros nossos

Sabíamos por onde o Benfica poderia criar perigo, mas não me apetece. Podia falar de tourada -- em pegar o touro pelos cornos, como se diz em bom português -, mas também não vou falar disso, pois tenho respeito pela instituição Benfica.

O meu pensamento e coração vai para a família do Emiliano Sala, que foi meu jogador meu no Nantes. Um homem fantástico. E que seguramente neste momento a família está a sofrer muito. E nós, equipa técnica, tínhamos relação muito boa com os jogadores. Sofremos muito hoje com a notícia deste desaparecimento. O meu pensamento mais forte agora é esse.

Foi esse [o motivo pelo qual me correram lágrimas na roda do grupo após o final do jogo]".

Bruno Laje (Treinador do Benfica): "[A diferença?] Marcar os golos. Nos jogos de Guimarães fez a diferença quem marcou e foi isso que aconteceu. O FC Porto marcou três golos e contou. Nos marcámos mais e não contou, fez parte do futebol. Tivemos várias oportunidades para outro resultado. Penso que o resultado certo seria o empate 2-2.

Uma segunda parte muito melhor da nossa parte. Até ao momento em que arriscámos a jogar com dois avançados, o Félix por dentro e o Salvio pela direita, para tentar chegar ao empate. Não conseguimos e o FC Porto numa transição fez o 3-1 e matou o jogo.

[Ao intervalo] Falei do que tínhamos de fazer na segunda parte, não do golo. Foi esse o nosso intuito. Resultou, porque entrámos muito bem. Criámos duas, três oportunidades e podíamos ter feito o empate e voltar ao jogo. Não fizemos, foi pena.

Começamos a sentir a nossa força, estávamos por cima do jogo, o FC Porto a recolher, a passar do '4x4x2' para o '4x3x3' e a partir daí tínhamos de arriscar. Era o momento certo, com eles por baixo. Senti que se marcássemos ganhávamos o jogo. Não marcámos, foi essa a diferença. Criámos várias oportunidades na frente do guarda, não marcámos. Parabéns ao FC Porto que ganhou. Nós vamos continuar a trabalhar.

Podíamos ter vencido o jogo. Acredito muito no que fizemos. Temos tudo para crescer e disputar os jogos todos até ao fim".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.