Taça da Liga: Benfica - FC Porto (declarações)

Declarações à flash-interview da SportTV após o triunfo do FC Porto por 3-1 sobre o Benfica, nas meias-finais da Taça da Liga de futebol, em Braga.

André Pereira (Jogador do FC Porto): "Um dérbi, se não for intenso e bem jogado... é uma pena desperdiçar este tipo de jogos. Queremos dar bom espetáculo, o Benfica e o FC Porto. Conseguimos o mais importante, a vitória. Queremos muito ganhar este título e é já sábado a próxima batalha para conquistar o objetivo.

O Benfica também esperou um bocado mais atrás da linha meio campo e explorou bem o contra-ataque, uma arma muito forte deles. Por vezes não tivemos equilibro necessário para travar esses momentos. Por isso foi jogo mais aberto. Foi bom espetáculo. Toda a gente que foi ao estádio se divertiu o mais importante no futebol.

O mister acredita muito em mim e eu nele. Estamos muito unidos. Queremos muito ganhar este título. Ganhar competições nacionais e fazer boa figura com a Roma Liga dos Campeões. Estamos muito fortes, o grupo está muito unido".

Ruben Dias (Jogador do Benfica): "Quero deixar uma palavra: estamos orgulhosos do que fizemos lá dentro. Lutámos muito, com o público sempre nosso lado. E infelizmente não conseguimos o queremos, mas não nos vergamos. Vamos ganhar. Hoje não foi como queiramos, mas a nossa meta é sempre lutar para ganhar e assim será sempre.

Uma primeira parte muito equilibrada. Ocasiões para ambos os lados. Fizemos o empate, só que não contou. E depois segunda parte tivemos de ir em busca do que queiramos, virar o jogo. Tivemos ocasiões, não conseguimos concretizar. Na parte final nós a correr mais riscos surgiu o resultado final.

Não vergamos. Em nada nos abala. Continuamos aqui para ganhar. Venha o próximo.

A nossa exibição foi positiva e estamos orgulhosos. Por querer ganhar não estamos totalmente satisfeitos. Criámos para conseguir resultado melhor. Continuamos o nosso caminho.

O objetivo do futebol é o golo e quando não conta, claro que pesa sobre qualquer equipa. Mas foi grande reação na segunda parte e é com essa postura que saímos do jogo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.