Suspensão da operação em Gatwick devido aos drones custou quase 17 ME à easyJet

A transportadora aérea easyJet informou hoje que os custos devido à suspensão da operação em Gatwick, um dos aeroportos que serve Londres, devido à presença de drones, chegou quase aos 17 milhões de euros (15 milhões de libras).

Em comunicado enviado à Bolsa de Londres, a companhia precisou ter destinado 11 milhões de euros em indemnizações para os passageiros e que perdeu 5,6 milhões de euros em bilhetes, no incidente registado em dezembro.

A easyJet precisou que o incidente afetou 82 mil passageiros e provocou o cancelamento de mais de 400 voos.

Na divulgação as contas do último trimestre de 2018, a companhia aérea indicou ter transportado 21,6 milhões de passageiros, uma subida de 15,1%, na comparação homóloga, e que a faturação subiu 13,7% para 1.468 milhões de euros.

Sobre a saída do Reino Unido da União Europeia ('Brexit'), a companhia garantiu estar bem preparada para responder ao processo e que dispõe de 130 aviões registados na Áustria.

A companhia indicou que quer a União Europeia, quer o Reino Unido comprometeram-se a assegurar que os voos continuam a operar, a partir de 29 de março, mesmo se não houver um acordo.

A pista única do aeroporto de Gatwick, o segundo mais importante do Reino Unido, esteve encerrada durante 36 horas entre 19 e 20 de dezembro, depois de registada a presença de drones.

O aeroporto tinha referido que mil voos de todas as companhias foram afetados pelo incidente, cujas consequências se fizeram sentir por três dias e atingiram 140 mil viajantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.