Supremo Tribunal da Índia ordena fim dos ataques contra pessoas da Caxemira

O Supremo Tribunal da Índia ordenou hoje às autoridades do Estado que parem com ameaças, agressões e boicotes sociais a milhares de pessoas, numa aparente retaliação pela morte de 41 paramilitares num atentado na semana passada, na Caxemira indiana.

Segundo a agência de notícias Associated Press, o Supremo Tribunal atuou numa petição apresentada pelos advogados Colin Gansalves e Tariq Adeeb que relataram que estudantes da Caxemira ficaram retidos em várias cidades e vilas para escapar da violência da multidão após o ataque de 14 de fevereiro.

O ministro do Interior da Índia, Rajnath Singh, prometeu hoje tomar medidas para garantir proteção e segurança.

Também a Comissão Nacional de Direitos Humanos da Índia referiu que procurou informações de Estados conflituosos sobre os maus-tratos a pessoas da Caxemira.

"Este tipo de violência do povo contra os seus concidadãos não pode ser aceite numa sociedade civilizada", salientou.

Yasin Khan, empresário da Caxemira e líder do sindicato dos trabalhadores, explicou que pelo menos 600 estudantes e mais de 100 empresários regressaram às suas casas na Caxemira de várias partes do país, após ataques e ameaças de grupos principalmente hindus.

O gabinete das Nações Unidas (ONU) para os Direitos Humanos expressou na terça-feira a sua preocupação com o aumento das tensões entre o Paquistão e a Índia após um ataque que matou 41 paramilitares na Caxemira indiana.

"Esperamos que o aumento das tensões entre os dois países vizinhos, equipados com armas nucleares, não signifique uma subida da insegurança na região", assinalou Rupert Colville, porta-voz do gabinete, em conferência de imprensa, em Genebra, na Suíça.

No mesmo dia, a Índia pediu uma "ação credível e visível" do Paquistão contra os responsáveis pelo atentado suicida.

Em comunicado, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Índia solicitou que o "Paquistão pare de enganar a comunidade internacional e tome ações credíveis e visíveis contra os responsáveis pelo ataque terrorista em Pulwama".

Por seu turno, o primeiro-ministro paquistanês, Imran Khan, mostrou-se disposto a cooperar com a Índia após o ataque, mas prometeu "ripostar" caso o seu país seja atacado.

"O Paquistão vai ripostar" no caso de ser atacado, afirmou Khan durante um discurso na televisão, pedindo que Nova Deli forneça "evidências" do envolvimento paquistanês no ataque que exacerbou as tensões indo-paquistanesas nos últimos dias.

Estas declarações foram feitas no momento em que o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, prometeu "fazer pagar" um preço alto aos responsáveis pelo atentado suicida, que provocou uma onda de revolta em toda a Índia e provocou apelos de vingança.

Este ataque, o mais mortífero desde o início da insurgência separatista contra Nova Deli em 1989, foi reivindicado pelo grupo islâmico Jaish-e-Mohammed (JeM), baseado no Paquistão.

A região de Caxemira é reivindicada tanto pela Índia como pelo Paquistão desde o fim da colonização britânica, em 1947.

Ler mais

Exclusivos