Substituição de 7.000 luminárias permite poupança de 437.000 euros anuais na Feira

A substituição de 7.000 luminárias em Santa Maria da Feira até ao próximo mês de agosto vai permitir uma poupança superior a 437.000 euros anuais, anunciou hoje a autarquia, que para esse efeito investirá 1,1 milhões de euros.

Com financiamento europeu na ordem dos 95%, a substituição em curso desde dezembro de 2018 visa garantir maior eficiência energética na iluminação pública e já permitiu trocar cerca de 1.500 pontos de luz do concelho.

"O concelho tem 44.000 luminárias e nós já tínhamos substituído umas 8.000, pelo que, juntando-lhes agora mais estas 7.000, já mudámos 35% da rede", diz à Lusa o presidente da Câmara, Emídio Sousa.

A meta seguinte é "procurar que todas as lâmpadas sejam trocadas por tecnologia LED até final do presente mandato autárquico".

Segundo outra fonte da autarquia, a atual requalificação da rede de iluminação pública da Feira envolve a troca de luminárias obsoletas por outras mais eficientes e "permitirá ao Município uma redução substancial do consumo e uma poupança que pode ultrapassar os 50%".

No seu formato anterior, a rede em causa representava um consumo anual de 675.039 euros.

Uma vez concluída a operação em curso, as estimativas da Câmara apontam para uma poupança que será de 437.815 euros a cada 12 meses, o que diminuirá a fatura energética do concelho para 238.023 euros.

No global, a troca de luminárias viabilizará assim um consumo de energia 64,8% inferior ao que se observava antes do arranque da operação, o que também significa que o investimento municipal para o efeito será recuperado em cerca de ano e meio.

A intervenção em curso pretende assegurar a transição da rede de iluminação pública local para um formato "com baixas emissões de carbono, em consonância com as metas do programa Norte 2020", sendo que a substituição das lâmpadas poderá verificar-se em diferentes fases numa mesma zona do território.

"O objetivo central passa pela substituição integral das luminárias afetas a cada posto de transformação, o que pode explicar que uma rua não seja completamente coberta pela intervenção" se essa artéria for servida por mais do que um posto transformador, explica a Câmara.

Desde dezembro, já foram substituídas luminárias nas localidades da Feira, Espargo, Travanca, Sanfins, Escapães, Fornos, Mosteirô, Souto, Arrifana, Milheirós de Poiares e Romariz. Atualmente, os técnicos responsáveis pela operação estão a intervir em Argoncilhe, após o que passarão ao restante território do concelho - cuja superfície ronda os 213 quilómetros quadrados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.