Subida do preço do leite pago ao produtor depende da internacionalização - ministro

O ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural defendeu hoje, no parlamento, que a subida do preço do leite pago ao produtor está dependente da internacionalização e da aposta na transformação do produto.

Para Capoulas Santos, que falava aos deputados no âmbito de uma audição parlamentar conjunta com a Comissão de Agricultura e Mar e a Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, o preço só aumenta "quando tivermos menos leite e mais produtos lácteos", sublinhando a necessidade de continuar o investimento na transformação do produto.

"O Governo tem dado a maior atenção ao setor do leite. Não é o ministério que fixa o preço do leite, é o mercado, mas Portugal não tem o pior preço da Europa", notou o governante.

Capoulas Santos disse ainda que exemplo da atenção dada ao setor é a manutenção das verbas afetas ao POSEI - Programa de Opções Específicas para o Afastamento e a Insularidade nas Regiões Ultraperiféricas, no âmbito do orçamento da Política Agrícola Comum (PAC).

No entanto, vincou que é necessário que os produtores apostem noutros mercados, como o chinês.

"É preciso que os operadores dos Açores se metam nos aviões. É a única maneira de valorizar os preços", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.