Suazilândia compara amostras de sangue para encontrar português desaparecido

Maputo, 04 ma (Lusa) - As autoridades da Suazilândia vão comparar amostras de sangue de dois suspeitos do rapto de um português com vestígios encontrados no carro do desaparecido, anunciou fonte judicial.

O objetivo é "apoiar a investigação policial", referiu Macebo Nxumalo, procurador, citado hoje pelo jornal Times of Swaziland.

Almor Simões Oliveira, 77 anos, natural de Oliveira do Bairro, é um empresário do setor industrial que reside há várias décadas na cidade de Matsapha, no pequeno país situado entre a África do Sul e Moçambique.

Está desaparecido desde o domingo de Páscoa.

Os suspeitos do rapto, um homem de 44 anos e uma mulher de 34, ambos de origem asiática, foram detidos a 28 de abril e vão ser ouvidos em tribunal na segunda-feira, dia 08.

A imprensa local refere que o casal foi detido após o rastreamento de um telefonema para a família do empresário português em que foi pedido o equivalente a 135 mil euros de resgate.

O homem que se encontra detido contesta o processo de que está a ser alvo e tem sido citado pelos jornais da Suazilândia a pôr em causa a integridade da polícia e dos tribunais do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.