'Startup' portuguesas participam em congresso mundial de telecomunicações em Barcelona

Uma delegação de empresas portuguesas vai participar, entre a próxima segunda-feira e sábado, no "maior encontro do mundo de empresas na área das telecomunicações", em Barcelona, Espanha, numa missão empresarial que inclui encontros com investidores, foi hoje anunciado.

Promovida pela associação Startup Portugal, esta delegação é composta por empresas como a Farfetch, Loqr, My Didimo, Cloud Computing, Infinite Foundry e Mapidea, sendo que a lista não está fechada e ainda se aceitam inscrições, indica a entidade em comunicado.

No Mobile World Congress, visto como o "maior encontro do mundo de empresas na área das telecomunicações", estas 'startups' (empresas com rápido potencial de crescimento) vão mostrar os seus produtos e expô-los na área de exibição do evento dedicada a este tipo de companhias, o 4 Years From Now.

O programa da missão inclui ainda "reuniões com empresas e investidores que estão presentes em Barcelona para o congresso, assim como um jantar com investidores espanhóis [...], interessados em saber mais sobre o ecossistema português de empreendedorismo", acrescenta.

Para março, está prevista uma missão empresarial da Startup Portugal a Austin, no Texas (Estados Unidos), para o South by South West, mais especificamente para o evento tecnológico SxSW Interactive, no qual foram apresentados o Twitter e o 4square.

"Estas iniciativas da Startup Portugal fazem parte do programa Missions Abroad, criado para apoiar a abordagem a mercados externos e contribuir para internacionalização das 'startup' portuguesas", adianta a associação na nota.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.