'Startup' portuguesa entrega ingredientes para refeições com mínimo de desperdício

A entrega nas cozinhas portuguesas de ingredientes, "com o mínimo de desperdício", para confecionar refeições diárias é a garantia de uma 'startup', lançada há cerca de uma semana, por Sofia Dias mediante um investimento de 25 mil euros.

Atualmente estão cinco pessoas na DINNGO, criada com capital próprio da fundadora, dos seus amigos e "pessoas próximas que acreditam" no projeto, que em 2019 deverá receber novo investimento de 50 mil euros.

A fundadora é, por agora, a única pessoa a tempo inteiro, depois de deixar para trás uma carreira de engenheira alimentar para 'importar' o conceito, que conheceu nos vários anos que viveu no estrangeiro.

A experiência de se tornar mãe e as conversas com amigas, em situações semelhantes, acentuou a importância de "simplificar as tarefas quotidianas para poder dar prioridade" ao mais importante: "a família".

"Isso, associado aos meus valores ambientais e sociais de reduzir o desperdício alimentar, levou-me a olhar para a solução dos 'kits' de refeição como uma possível oportunidade de negócio para o mercado português", explicou Sofia Dias, mestre em Gestão, à agência Lusa.

Para esta 'receita' entrou também o crescimento das compras 'online', que no caso dos alimentos em supermercados, pode acabar por ser "desorientador e repetitivo", mesmo num processo que envolva ingredientes para uma só refeição.

"Se aplicarmos isso às refeições de uma semana o processo pode demorar mais de 40 minutos e envolver mais de 15 cliques", segundo a empreendedora, que garante que com o seu projeto haverá uma "experiência mais fluida e rápida" para comprar os "melhores ingredientes para cada refeição e tudo ao preço competitivo, com conveniência da entrega gratuita em casa e sem desperdício".

Autoapresentada como mãe e 'foodie', no sentido de gostar de comida saudável, Sofia Dias coloca a tónica na qualidade, por isso garante a compra de ingredientes diretamente ao produtor ou escolhidos em comércio local.

"No entanto, devido ao facto de termos pratos de fusão e de cozinha internacional isto nem sempre é possível e nessas situações recorremos a produtos selecionados de importadores e de lojas da especialidade", acrescentou à agência Lusa.

Para garantir a quantidade certa para cada refeição são usadas "tabelas nutricionais e aconselhamento junto de profissionais da área alimentar".

A empresa conta conquistar, sobretudo, o paladar da população urbana, entre os 25 e os 55 anos, com "vidas ativas, solteiros ou com filhos, mas que gostam de aproveitar o seu tempo em vez de fazer compras rotineiras".

No perfil do público-alvo também se junta o gosto de "comer bem e experimentar coisas novas", assim como o prazer de consumir "comida confecionada pelas suas próprias mãos, em casa, na companhia das suas famílias ou em jantares de amigos".

A digestão das refeições confecionadas através de receitas e ingredientes da DINNGO está atualmente centrada apenas na região de Lisboa e a pensar nas ceias da Natal está disponível um 'kit' para quatro pessoas, a rondar os 60 euros, e que inclui prato principal, duas garrafas de vinho, salada e uma sobremesa, como manda a tradição.

A distribuição para as refeições confecionadas, através de receitas e ingredientes da DINNGO, está atualmente centrada apenas na região de Lisboa e a pensar nas ceias de Natal está disponível um 'kit' para quatro pessoas, a rondar os 60 euros, e que inclui prato principal, duas garrafas de vinho, salada e uma sobremesa, como manda a tradição.

Ler mais

Exclusivos