'Startup' do Porto cria aplicação que facilita deslocações em diferentes transportes

A 'startup' Ubirider, sediada no Porto, desenvolveu uma aplicação que permite aos utilizadores "planearem as suas deslocações em diferentes transportes, mas também em diferentes cidades" e pagarem todos os bilhetes de uma só vez, revelou hoje o responsável.

Em entrevista à Lusa, Paulo Ferreira dos Santos, fundador e diretor da empresa de base tecnológica em fase de desenvolvimento Ubirider, contou que o projeto surgiu de "um problema com o qual lidava há já muito tempo".

"Como viajava bastante, a cada cidade que chegava perdia muito tempo a preparar as deslocações nos diferentes transportes. Esse problema foi o gatilho para esta ideia, que teve como objetivo integrar na mesma aplicação os serviços de mobilidade das mais diversas cidades", contou.

Segundo Paulo Ferreira dos Santos, apesar da aplicação ter como objetivo "melhorar a qualidade da experiência de mobilidade dos utilizadores" e a "forma como são geridos e disponibilizados os serviços" das operadoras de transportes, a equipa da Ubirider enfrentou "alguns desafios".

"Deparamo-nos com dois desafios, a evolução dos telemóveis, mais particularmente do chip híbrido, que com o cruzamento de várias informações permite saber exatamente onde estamos, e como poderíamos de forma eficiente e barata permitir o pagamento de um bilhete de autocarro e comboio, que no fundo, são pagamentos de baixo valor", disse.

Assim, a aplicação desenvolvida, designada de 'Pick', permite aos utilizadores planearem as suas deslocações com base no critério mais conveniente no momento - mais rápido, mais barato, menos poluente - e pagar todos os bilhetes de uma só vez através de serviços instantâneos, como o MBWay.

"Acreditamos que se tornarmos as viagens mais previsíveis, mais fáceis e eficientes, e, ainda por cima, permitirmos que o sistema seja utilizado noutra cidade, há aqui um ganho enorme na qualidade da experiência para o utilizador, e essa é a nossa grande aposta", frisou.

Paulo Ferreira dos Santos contou à Lusa que aplicação também apresenta vantagens para as operadoras dos transportes, isto porque "não é necessário investimento e pode vir a reduzir os gastos com as infraestruturas atualmente utilizadas".

"Como se suporta apenas no telemóvel do utilizador, não é necessário nenhum investimento por parte da empresa de transportes e surge como um canal paralelo, que permite saber, por exemplo, quantas pessoas estão em determinada estação e quantas vão sair. Na verdade, estas são informações que as operadoras neste momento não têm, porque têm sobre os veículos, mas não têm sobre as pessoas", salientou.

Neste momento, a aplicação encontra-se em fase de testes na rede ferroviária que liga o centro de Lisboa a Setúbal, e vai iniciar testes na autoestrada Trasmontana e na rede de metro de Sevilha.

De acordo com Paulo Ferreira dos Santos, a equipa da Ubirider prevê lançar a aplicação no mercado já no início do próximo ano.

"A parte mais importante disto é a experiência para o utilizador, porque na verdade, os nossos utilizadores não querem saber que tecnologia está por detrás, querem apenas que a experiência seja boa", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...