STAL quer negociar novo acordo em Sintra para mais três dias de férias

Sintra, Lisboa 30 mai (Lusa) - Os trabalhadores do município de Sintra discutiram hoje, em plenário, propor à autarquia um novo acordo coletivo de entidade empregadora pública (ACEEP), para a recuperação de mais três dias de férias, informou fonte sindical.

Segundo explicou Carlos Fernandes, do Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Administração Local (STAL), trabalhadores municipais reuniram-se hoje em plenário, em frente aos Paços do Concelho, para preparar a participação na manifestação de 03 de junho, convocada pela CGTP-In, e analisar várias questões laborais no município.

"Entre as questões analisadas estão a desregulação dos horários de trabalho, por falta de funcionários e principalmente excesso de trabalho em vários serviços", adiantou o sindicalista, acrescentando que foi também discutida a "apresentação de um novo ACEEP", a negociar entre o STAL e a câmara, "para repor os três dias de férias que foram tirados aos trabalhadores".

Apesar de o Governo se recusar a repor os 25 dias de férias no setor público, Carlos Fernandes esclareceu que algumas autarquias "estão a negociar a reposição dos três dias de férias retirados através da assinatura de novos ACEEP", ao abrigo da autonomia da administração local.

O STAL pretende, por isso, apresentar ao presidente da autarquia de Sintra, Basílio Horta (PS), uma proposta para a celebração de um novo ACEEP que contemple o aumento do atual período de férias.

Os trabalhadores analisaram ainda os atrasos registados nos serviços médicos do município, para a realização de intervenções cirúrgicas, que resultam em prejuízo para quem sofre um acidente de trabalho e tem de esperar alguns meses pelo acesso a este tipo de cuidados de saúde, referiu Carlos Fernandes.

O plenário, que contou com a participação de dirigentes da União de Sindicatos de Lisboa e a comissão executiva da CGTP-In, envolveu trabalhadores da câmara, dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS), da Parques de Sintra-Monte da Lua, da Empresa Municipal de Estacionamento de Sintra (EMES) e da União de Freguesias de Sintra.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.