Sri Lanka/Ataques: Estado Islâmico reivindica autoria dos atentados

Cairo, 23 abr 2019 (Lusa) -- O grupo 'jihadista' Estado Islâmico reivindicou hoje a autoria dos atentados suicidas no Sri Lanka contra igrejas e hotéis de luxo, que causaram no domingo a morte de mais de 300 pessoas.

"Os executores do ataque que teve como objetivo os cidadãos dos países da coligação e cristãos [realizado] anteontem [no domingo] são combatentes do Estado Islâmico", afirmou em comunicado uma fonte próxima dos 'jihadistas' citada pela agência Amaq, órgão de propaganda do grupo extremista.

A reivindicação não pôde ser confirmada e o grupo jihadista não divulgou qualquer vídeo dos atacantes a prometer lealdade ao Estado Islâmico.

O grupo, que perdeu todo o território que controlava no Iraque e na Síria, tem feito frequentes reivindicações não comprovadas de responsabilidade por atentados terroristas.

O ataque consistiu em oito explosões que mataram, pelo menos, 310 pessoas, entre as quais um português residente em Viseu, e provocaram mais de 500 feridos.

O número de pessoas detidas relacionadas com os ataques atinge as 40, segundo o porta-voz da polícia Ruwan Gunasekera.

O responsável da polícia tinha afirmado que as autoridades atribuíam os ataques a um grupo extremista islâmico local, o National Thowheeth Jama'ath, embora considerassem que o grupo teria sido apoiado internacionalmente.

A capital do país, Colombo, foi alvo de pelo menos cinco explosões: em quatro hotéis de luxo e uma igreja.

Duas outras igrejas foram também alvo de explosões, uma em Negombo, a norte da capital e onde há uma forte presença católica, e outra no leste do país.

A oitava e última explosão teve lugar num complexo de vivendas na zona de Dermatagoda.

As primeiras seis explosões ocorreram "quase em simultâneo", pelas 08:45 de domingo (03:15 em Portugal), de acordo com fontes policiais citadas por agências internacionais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.