Sporting ganha em Lodi na primeira mão das 'meias' da Liga Europeia

O Sporting venceu hoje em Itália o Amatori Lodi, por 5-3, na primeira mão dos quartos de final da Liga Europeia de hóquei em patins, jogo disputado no pavilhão Palacastelloti.

Num pavilhão totalmente cheio, os 'leões' foram superiores ao adversário e partem com clara vantagem para a segunda mão, que está agendada para 06 de abril, no pavilhão João Rocha, em Lisboa.

Depois da vitória do FC Porto sobre o Forte dei Marmi em Itália, por 5-1, e tendo em conta que Benfica e Oliveirense se defrontam num dos outros 'quartos', começa a desenhar-se um quadro de três equipas portuguesas nas meias-finais.

Ângelo Girão, com uma sucesssão de boas intervenções na baliza 'leonina', e Raul Marin, com três golos, foram os homens de um jogo que deixa os pupilos de Paulo Freitas a um passo da meia-final da principal competição de clubes da Europa.

As coisas não começaram bem para a equipa 'leonina', que, aos 11 minutos, sofreu o primeiro golo da noite, anotado por Illuzi, deixando antever um resto de jogo difícil. Mas os 'verdes e brancos' reagiram da melhor maneira e, aos 15 minutos, chegaram à igualdade por intermédio de Ferran Font, fazendo o 1-1 com que a partida foi para intervalo.

Apenas com dois minutos desde o reatamento, Raul Marin adiantou a equipa portuguesa, de meia distância.

O 3-1 para o Sporting chegou dez minutos depois e foi novamente obra de Ferran Font - o espanhol marcou, ao segundo poste, depois de assistência de Henrique Magalhães.

Raul Marin marcou pela segunda vez, aos 44, fazendo o 1-4 para a equipa portuguesa.

Os últimos minutos foram frenéticos com os 'leões' a marcarem mais um golo, outra vez por intermédio de Raul Marin (49), mas com o Lodi a reduzir por duas ocasiões (Juan Fariza, 45, e o português Luís Querido, 49) estabelecendo o 3-5 com que a partida fechou.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).