Sporting abre época de hóquei em patins com Turquel na Elite Cup

O Sporting, campeão nacional de hóquei em patins, vai defrontar o Turquel nos quartos de final da Elite Cup, torneio de pré-época que vai decorrer em Portimão, entre 28 e 30 de setembro.

O sorteio, realizado hoje no Museu de Portimão, definiu que a partida de abertura da prova, no dia 28, às 14:00, vai opor os 'leões' à equipa do concelho de Alcobaça, 9.ª classificada na última edição do campeonato nacional.

"É um grande torneio de início de época. O Sporting entra em jogo sempre para ganhar e é com essa ambição que estaremos aqui", disse Pedro Gil, capitão da equipa 'leonina', enquanto o capitão do Turquel, Vasco Luís, também garantiu a ambição máxima da sua equipa para "bater o campeão nacional".

Benfica-Paço de Arcos (16:00), Oliveirense-Sporting de Tomar (18:00) e Valongo-Juventude de Viana (20:00) serão as outras partidas dos quartos de final da prova, também no dia 28.

No dia 29, os vencedores dos jogos Sporting-Turquel e Valongo-Juventude de Viana disputam a primeira meia-final (17:00), enquanto a outra semifinal (19:00) será disputada entre os vencedores dos encontros Benfica-Paço de Arcos e Oliveirense-Sporting de Tomar.

A final está marcada para domingo, 30, às 15:00, já depois de as outras seis equipas terem disputado as partidas que definirão a classificação final, do terceiro ao oitavo lugares da competição.

A Elite Cup, organizada pela Associação Nacional de Clubes de Patinagem (ANCP), vai disputar-se no pavilhão gimnodesportivo de Portimão e não no Portimão Arena, como estava inicialmente previsto.

"Por questões logísticas, devido ao atraso da entrega do material para o piso, decidimos mudar o torneio para o pavilhão gimnodesportivo, que terá todas as condições. Em 2019, ano em que Portimão será Cidade Europeia do Desporto, teremos a prova no Portimão Arena", garantiu Rui Carvalho, presidente da ANCP.

O dirigente esclareceu ainda a ausência de FC Porto e Óquei de Barcelos, terceiro e sexto classificados no último campeonato nacional, justificando com o facto de no mesmo fim de semana estarem envolvidos na Taça Continental.

"Já tínhamos marcado a Elite Cup para essa data e fomos surpreendidos pela marcação da Taça Continental para uma data fora do calendário oficial. Já não podíamos adiar, mas o FC Porto e o Óquei de Barcelos estarão a representar o país, e bem, numa competição internacional", sublinhou.

Rui Carvalho disse que a Elite Cup pretende ser "uma grande festa de promoção da modalidade" na região, revelando que serão realizadas ações promocionais junto de jovens crianças das escolas de Portimão.

O sorteio contou com a presença de seis dos oito capitães das equipas participantes, além da vereadora da Câmara de Portimão, Teresa Mendes, que realçou a necessidade de "diversificar" a oferta desportiva do concelho, a poucos meses de este ser anfitrião da Cidade Europeia do Desporto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.