Sistema de monitorização ajuda a aumentar segurança de bombeiros em cenários de risco

Uma equipa de investigadores do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) desenvolveu um sistema que monitoriza os sinais vitais dos bombeiros, contribuindo para aumentar a sua segurança em cenários de risco.

O equipamento tecnológico, que foi apresentado hoje no quartel dos Bombeiros de Albergaria-a-Velha, é baseado em dois sensores que são colocados no bombeiro para captar em tempo real os sinais vitais, níveis de stress e fadiga, entre outros.

O sistema permite ainda recolher dados do meio ambiente, como a temperatura, gases tóxicos a que o bombeiro está exposto, ou luminosidade, bem como a localização georeferenciada.

"Esta informação é transmitida depois para um servidor e para um meio de comando que, desta forma, pode saber exatamente onde é que o bombeiro está, a que variáveis é que pode estar sujeito, tanto ambientais como fisiológicas, e tentar da melhor forma gerir a equipa", disse o investigador Duarte Dias.

Os investigadores dizem que a utilização deste equipamento pode contribuir para aumentar a segurança dos bombeiros, que se encontram muitas vezes em situação de risco.

"Existem estudos internacionais que demonstram que 67% das fatalidades que ocorrem com bombeiros são resultantes de problemas de stress e de esforço excessivo. Nós, com o nosso sistema, aquilo que vamos conseguir é antecipar a situação de falência física e, desta forma, tentar aumentar a segurança do bombeiro", disse o investigador Rui Rosas.

O Comandante dos Bombeiros de Albergaria, José Valente, também não tem dúvidas quanto à importância deste equipamento para a segurança e rentabilização dos meios humanos que estão no teatro de operações.

"Toda a informação que possamos obter a cada momento de cada um dos operacionais é uma mais-valia não só para tirar a rentabilidade maior possível, mas também saber quais são as suas fraquezas e potencialidades e dai tirar maior rendimento da sua intervenção", disse o comandante.

O equipamento, que tem vindo a ser testado há três anos pelos Bombeiros de Albergaria-a-Velha em situações reais, pode ainda ser usado por outros profissionais de primeira resposta, como polícias e paramédicos.

"Estamos numa fase muito avançada em termos de validação da solução, do ponto de vista tecnológico", disse Rui Rosas, adiantando que o sistema tem mais de 700 horas de recolha de dados e análise, em cenário real.

Atualmente, a equipa de investigadores está a procura de investidores para lançar uma solução comercial, visando sobretudo o mercado norte-americano.

"O mercado nacional não tem dimensão desejada numa perspetiva comercial e o mercado mais interessante seria o mercado norte-americano", disse Rui Rosas.

A equipa de investigadores viaja no mês de setembro para os Estados Unidos da América onde vai permanecer durante dois meses, ao abrigo de um "programa de aceleração" com Carnegie Mellon/Portugal, para tentar procurar investimento estrangeiro para esta solução.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.