Síria: Erdogan rejeita apelos da Europa para pôr fim a ofensiva em Afrine

O Presidente da Turquia rejeitou hoje os apelos da Europa para que acabe com a ofensiva militar contra Afrine (noroeste da Síria), numa altura em que existem relatos de que centenas de pessoas estão a fugir daquele enclave curdo.

Num momento em que o Parlamento Europeu se prepara para debater uma proposta de resolução sobre a Síria, Recep Tayyip Erdogan, que falava numa cerimónia de entrega de prémios, abordou o assunto e advertiu os países europeus.

"Não fiquem muito excitados. Não vamos sair [da Síria] até que o nosso trabalho esteja feito. Deviam saber disso, deviam saber disso", afirmou o chefe de Estado turco, dirigindo-se ao Parlamento Europeu (PE).

Segundo informações divulgadas pelos 'media' turcos, a resolução em debate no PE irá exigir o fim da ofensiva militar turca em Afrine e a retirada das tropas da Turquia.

"Não importa o que diga [o PE]. Vai entrar por um ouvido e sair pelo outro", reforçou Erdogan.

Estas declarações do Presidente turco surgem numa altura em que existem relatos que centenas de pessoas estão a fugir de Afrine em direção a localidades vizinhas por causa da intensificação da ofensiva turca.

Canais de televisão árabes e turcos mostraram hoje imagens de pessoas a deixarem o centro de Afrine de carro, mas também a pé.

A estação libanesa Mayadeen TV falou com vários habitantes do enclave curdo e muitos indicaram que estavam a sair para localidades vizinhas à procura de alimentos e pão.

O canal turco DHA TV mostrou vários camiões cheios com pertences de famílias alinhados na estrada para sair de Afrine.

As forças turcas intensificaram na quarta-feira os bombardeamentos contra Afrine.

Um porta-voz do Presidente turco, Ibrahim Kalin, disse hoje que Afrine estará "muito em breve livre" de combatentes curdos, combatentes que são apoiados pelos Estados Unidos e que Ancara classifica como "terroristas".

"O cerco apertou-se em redor dos terroristas. Esperamos que muito em breve, se Deus quiser, nos próximos dias, o centro de Afrine estará completamente livre de terroristas", disse o porta-voz de Erdogan, numa entrevista no canal público TRT.

Na quarta-feira à noite, os ataques aéreos intensificaram em Afrine, matando pelo menos sete pessoas.

Estes ataques aumentaram os receios da população local sobre a iminência de uma eventual grande ofensiva terrestre.

Desde dia 20 de janeiro, a Turquia e fações opositoras sírias pró-Ancara levam a cabo uma ofensiva terrestre e aérea em Afrine (província síria de Alepo), zona controlada pela principal milícia curda na Síria, as Unidades de Proteção Popular (YPG).

Ancara acusa o YPG de ser o ramo sírio do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que é considerado uma organização terrorista pela Turquia, e deseja expulsar a milícia curda desta região.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.