SÍNTESE: FC Porto sofre para seguir na Taça e marca encontro com o Sporting de Braga

O FC Porto sentiu hoje dificuldades para superar o Leixões, mas conseguiu eliminar a equipa da II Liga no prolongamento (2-1), marcando encontro com o Sporting de Braga nas meias-finais da Taça de Portugal de futebol.

O golo do mexicano Herrera, logo aos 11 minutos, parecia deixar a eliminatória bem encaminhada para o lado dos 'azuis e brancos', só que, aos 78, Zé Paulo empatou as contas com um remate bem colocado e obrigou a 30 minutos suplementares.

A pressão do FC Porto intensificou-se com o passar dos minutos e, aos 118, Hernâni, que tinha sido lançado por Sérgio Conceição aos 99, capitalizou o domínio dos 'dragões' e acabou com as esperanças do Leixões em levar o jogo para o desempate por grandes penalidades.

Na próxima eliminatória, os portistas vão ter pela frente o Sporting de Braga, que foi a primeira equipa a assegurar presença nas 'meias', ao vencer no reduto do detentor do troféu, Desportivo das Aves, por 2-1, com um 'bis' de Wilson Eduardo, aos 11 e 41 minutos, enquanto Cláudio Falcão anotou o tento dos avenses, aos 70.

Já o Benfica somou o terceiro triunfo sob o comando de Bruno Lage e também 'carimbou o passaporte' para as meias-finais, ao vencer por 1-0 no reduto do Vitória de Guimarães, graças a um tento do 'menino' João Félix (19 anos), aos 14 minutos.

Na quarta-feira, Feirense e Sporting discutem a última vaga nas meias-finais, a partir das 20:45, em Santa Maria da Feira, num encontro do qual sairá o adversário do Benfica na próxima ronda.

De resto, em caso de triunfo dos 'leões', as meias-finais da 'prova rainha' terão as mesmas quatro equipas, que, na próxima semana, vão disputar as 'meias' da Taça da Liga.

As partidas da primeira mão das meias-finais da Taça de Portugal realizam-se entre 05 e 07 de fevereiro, ao passo que as da segunda disputam-se entre 02 e 04 de abril.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.