Sexto programa de intercâmbio entre Norte e Galiza com 159 projetos aprovados

A sexta edição do IACOBUS, o programa de intercâmbio na eurorregião Galiza-Norte de Portugal arranca em fevereiro com 159 novos beneficiários, 58 provenientes da região Norte, informou a Comissão de Cooperação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDR-N).

De acordo com a página oficial da CCDR-N, que integra o Agrupamento de Cooperação Territorial Galiza-Norte de Portugal (GNP-AECT), entidade gestora do programa, os resultados foram revelados, recentemente, pela Comissão de Avaliação do IACOBUS, após a avaliação de 253 candidaturas, tendo sido selecionados 159 novos beneficiários.

"Dos projetos aprovados, 58 são provenientes do Norte de Portugal e 101 oriundas da Galiza e dizem respeito a áreas de trabalho tão abrangentes como Ciências da Saúde, Humanidades, Engenharias, Ciências Económicas e Empresariais, Ciências Sociais, Tecnologias da Informação e Comunicação, Ciências Ambientais, Recursos Naturais e Direito", lê-se no texto publicado.

O programa destinado a docentes, investigadores, técnicos e pessoal administrativo de instituições de ensino superior e centros tecnológicos da Eurorregião Galiza - Norte de Portugal, foi lançado em outubro com uma dotação de 185 mil euros.

Na sua sexta convocatória, o IACOBUS foi alargado à participação dos centros tecnológicos no contexto da eurorregião, num total de 22 centros, dez do Norte de Portugal.

Entre as universidades e politécnicos que integraram esta convocatória, oito são portuguesas e três são da Galiza.

Financiado pelo programa INTERREG V-A Espanha-Portugal (POCTEP) 2014-2020, o programa IACOBUS recebeu na sua 5.ª edição, no ano letivo 2017/2018, 295 candidaturas, das quais foram selecionadas 135, 65 do Norte de Portugal.

Quanto à primeira edição do IACOBUS - Publicações Científicas (Papers), uma das novidades desta sexta convocatória, "contou com a apresentação de um total 37 publicações, tendo sido selecionadas um total de 34, oriundas da maior parte das instituições de Ensino Superior integradas no IACOBUS".

Desde que arrancou em 2014, o IACOBUS aprovou, nas cinco edições anteriores, 639 projetos de investigação de todas as áreas do conhecimento com um financiamento total de 700 mil euros.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.