Seul revela importações ilegais da Coreia do Norte que violam sanções da ONU

A Coreia do Sul informou hoje que um total de 35 mil toneladas de carvão e ferro norte-coreanos entraram ilegalmente nos seus portos em 2017, numa possível violação das sanções da ONU.

Com base em resultados preliminares de uma investigação que se prolongou durante dez meses, o Serviço Alfandegário da Coreia do Sul anunciou que deverá avançar com processos contra três empresas locais e respetivos executivos por contrabando e falsificação de documentos que procuraram alterar a identificação da origem dos recursos minerais norte-coreanos, com a indicação de que vinham da Rússia.

As empresas importaram carvão e ferro norte-coreano em sete ocasiões diferentes, entre abril e outubro do ano passado, para cinco portos sul-coreanos, informou a alfândega, referindo ainda que as 35 toneladas destes produtos estão avaliadas em cinco milhões de euros.

A ONU proibiu as importações de minerais norte-coreanos em agosto de 2017.

A Coreia do Sul começou a investigar em outubro as alegações de que o carvão norte-coreano podia ter entrado nos seus portos.

As primeiras sanções do Conselho de Segurança da ONU foram impostas após o primeiro teste nuclear de Pyongyang, em 2006.

Um relatório recente do Conselho de Segurança indicou que o regime de Kim Jong-un está a violar as sanções da ONU, com embarques clandestinos de carvão, petróleo e equipamento militar.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.