Seis ONG contestam violência no norte da República Centro-Africana

As seis organizações não-governamentais (ONG) internacionais que atuam em Kanga Bandoro, norte da República Centro-Africana (RCA), suspenderam hoje as suas atividades para contestar a violência contra trabalhadores humanitários.

"Em Kaga Bandoro, registámos este ano 32 incidentes [contra as ONG], das quais 21 desde o mês de junho", disse à agência de notícias francesa AFP Baptiste Hanquart, responsável do Centro de Coordenação das ONG na República Centro-Africana.

Naquele que é um dos países mais perigosos no mundo para os trabalhadores humanitários, sete foram mortos e 24 ficaram feridos desde o início do ano, segundo a Organização Internacional para a Segurança das ONG (INSO, na sigla original), que identifica os abusos contra as organizações em todo o mundo.

As ONG são uma "oportunidade financeira para os grupos armados", que as atacam, disse Hanquart, que garantiu no entanto que as organizações não vão abandonar o terreno: "Não é porque somos maltratados por milícias que vamos abandonar a população".

A suspensão de atividades humanitárias durante 24 horas é "uma jornada de indignação face a tudo o que as populações e as ONG sofrem, em Kaga Bandoro, mas também em Bambari ou Bria", considerou o responsável.

Desde o segundo trimestre deste ano, "observou-se uma deterioração das condições de segurança e um aumento significativo dos casos de roubo, assaltos e saques, registados em particular em Bambari, Bria, Kaga Bandoro, Batangafo, e também em Bossangoa", destacou recentemente, num comunicado, o gabinete para os assuntos humanitários da Organização das Nações Unidas (OCH) na RCA.

Desde 2013, quase toda a República Centro-Africana vive sob a violência de grupos armados e milícias, que cometem incontáveis atos de violência e abuso.

A queda, naquele ano, do então Presidente François Bozizé, deposto pelos ex-rebeldes do Seleka, que se proclamou protetor dos muçulmanos, desencadeou uma ofensiva das milícias anti-Balaka, alegando defender os não-muçulmanos.

Os grupos armados da Seleka e as milícias lutam pelo controlo de recursos neste país de 4,5 milhões de pessoas, classificado entre os mais pobres do mundo, mas rico em diamantes, ouro e urânio.

Portugal está presente na RCA no âmbito da missão das Nações Unidas naquele país (MINUSCA).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).