SEF deteta droga e documentos falsos no aeroporto de Lisboa

O Serviço de Estrangeiros Fronteiras (SEF) detetou esta semana no Aeroporto de Lisboa vários cidadãos estrangeiros na posse de documentos falsificados e droga, que se suspeita ser cocaína, informou hoje este órgão policial.

Segundo o SEF, na quinta-feira, no controlo documental surgiram dúvidas sobre as condições de entrada de dois cidadãos estrangeiros, provenientes de um voo de Londres, e em fase de controlo pormenorizado constatou-se que os passaportes eram falsificados.

"Durante a realização de revista foi detetado produto estupefaciente dentro dos forros das mochilas que cada um dos passageiros transportava", refere o SEF, adiantando que os dois cidadãos estrangeiros e a droga foram entregues à Polícia Judiciária.

Na tarde do mesmo dia, o SEF detetou um outro cidadão estrangeiro com dois pacotes suspeitos de serem produto estupefaciente presos ao corpo, um na zona da barriga e outro na zona das costas. O passageiro e o produto, que se suspeita ser cocaína, foram entregues à PJ para os adequados procedimentos processuais.

Na quarta-feira, o SEF deteve três passageiros com documentos falsificados: um passaporte comum com aposição de visto contrafeito, um passaporte comum com subtração de páginas e um passaporte comum falsificado.

Os passageiros foram detidos e levados a juízo juntamente com os documentos fraudulentos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.