Secretismo em torno do SIRESP é prejudicial - Liga dos Bombeiros

Coimbra, 09 abr 2019 (Lusa) - Algum secretismo que possa haver em torno da rede de comunicações SIRESP "é prejudicial", afirmou hoje o presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP), considerando que "tem de ser tudo posto cá para fora".

Ressalvando que o Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) é uma questão "mais técnica do que política", Jaime Marta Soares considerou que "algum secretismo" em torno deste tema "é prejudicial" e apenas gera "uma maior confusão em torno de uma situação que não pode ter confusões e que tem de funcionar sem falhas".

"Rapidamente, tudo tem que se clarificar para que este fumo todo desapareça", afirmou o presidente da LBP.

Em declarações aos jornalistas em Coimbra, Jaime Marta Soares salientou que o SIRESP que hoje é utilizado "está completamente diferente daquele SIRESP que claudicou e criou todos aqueles problemas" nos incêndios de 2017.

"A evolução do SIRESP tem sido grande", acrescentou, referindo que, apesar de ainda estar aquém do desejado, a mudança tem sido positiva.

Sobre a proposta do Bloco de Esquerda de acabar com a Parceria Público-Privada (PPP) do SIRESP, Jaime Marta Soares salientou que "o fim da PPP não vem trazer nenhuma melhoria ao funcionamento do SIRESP".

Nesse sentido, deve ser definido "o que se pretende no caderno de encargos e depois que seja fiscalizado como deve ser", referiu.

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, reafirmou hoje, em Lisboa, os dados que tinha avançado no parlamento sobre as falhas no sistema SIRESP em 2017, confirmando que as mesmas totalizaram cerca de 9.000 horas.

Em conferência de imprensa hoje no Ministério da Administração Interna, em Lisboa, Eduardo Cabrita esclareceu os dados que tinha avançado em 04 de abril de 2018 na Assembleia da República e que foram contrariados em notícias recentes do jornal Público.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.