"Sarcasmo genocida" de Trump não acabará com Irão - chefe da diplomacia iraniano

Teerão, 20 mai 2019 (Lusa) -- O ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Mohammad Javad Zarif, respondeu hoje às últimas ameaças do presidente norte-americano contra o seu país afirmando que "o sarcasmo genocida" de Donald Trump não acabará com o Irão.

"O senhor Trump espera ter sucesso onde Alexandre (o Grande), Gengis (Khan) e os outros agressores falharam", escreveu Zarif na rede social Twitter, referindo-se a dois conquistadores estrangeiros que dominaram a Pérsia (antigo nome do Irão) num determinado período da sua história milenar.

"Os iranianos permaneceram de pé durante milénios, enquanto os seus agressores partiram todos. O #TerrorismoEconomico e o sarcasmo genocida não acabarão com o Irão", adiantou o chefe da diplomacia iraniano.

Trata-se de uma resposta direta à última mensagem contra o Irão divulgada por Trump na mesma rede social.

"Se o Irão quiser lutar, esse será o fim oficial do Irão. Nunca mais ameacem os Estados Unidos!", escreveu o presidente norte-americano.

"#NuncaMaisAmeaçarUmIraniano. Tente o respeito -- funciona", retorquiu Zarif.

A tensão entre Washington e Teerão registou uma escalada nas últimas semanas, depois de os Estados Unidos anunciarem um reforço da sua presença militar no Médio Oriente para enfrentar presumíveis "ameaças" iranianas.

Na última semana, a tensão aumentou após a sabotagem de quatro petroleiros num porto dos Emirados Árabes Unidos e de um ataque com 'drones' a um oleoduto saudita, reivindicado pelos rebeldes Huthis do Iémen, apoiados pelo Irão.

A maioria das autoridades iranianas, como o líder supremo, Ali Khamenei, descartou uma guerra com os Estados Unidos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

adoção

Técnicos e juízes receiam ataques pelas suas decisões

É procurador no Tribunal de Cascais há 25 anos. Escolheu sempre a área de família e menores. Hoje ainda se choca com o facto de ser uma das áreas da sociedade em que não se investe muito, quer em meios quer em estratégia. Por isso, defende que ainda há situações em que o Estado deveria intervir, outras que deveriam mudar. Tudo pelo superior interesse da criança.