São Tomé recebe conferência internacional da OIT sobre futuro do trabalho

A Organização Internacional de Trabalho (OIT) realiza na capital são-tomense, a 26 e 27 deste mês, uma conferência internacional sobre o futuro do trabalho, com a presença de delegações de países africanos de língua portuguesa, foi hoje anunciado.

O anúncio foi feito em São Tomé pela diretora sub-regional desta organização, Vera Paquete Perdigão.

"O Governo já tinha dado a sua disponibilidade, a conferencia será nos dias 26 e 27, vai tratar de questões do futuro do trabalho numa perspetiva das organizações de trabalhadores", disse Vera Perdigão, recebida hoje em audiência pelo Presidente da República, Evaristo Carvalho, o qual convidou para fazer a abertura do evento.

A conferência sobre o futuro do trabalho vai reunir delegados da África central e de alguns países africanos lusófonos, designadamente Angola, Cabo Verde e Guiné Bissau.

A diretora sub-regional da OIT anunciou igualmente que, por esta altura, a diretora regional desta instituição visitará o país, tendo sublinhado que a sua organização e são Tomé e Príncipe têm uma relação baseada numa estratégia de cooperação com as autoridades e a organização dos trabalhadores.

"A parceria que a Organização Internacional de Trabalho tem com São Tomé e Príncipe baseia-se no quadro de um documento de estratégia de cooperação denominado 'Trabalho Digno', em que apoiamos a organização dos trabalhadores em termos de reforço das capacidades para melhor jogar o seu verdadeiro papel nas discussões com outras partes", disse Vera Paquete Perdigão.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.