Santuário de baleias rejeitado por países da África Ocidental e Japão

São Tomé e Príncipe foi um dos países que se opôs à criação de um santuário de baleias no Atlântico Sul, proposta apresentada e chumbada na 67.ª reunião da Comissão Internacional Baleeira (CIB) em Florianópolis, no Brasil.

Segundo informou hoje a agência de investigação ambiental britânica EIA (Environmental Investigation Agency), além de São Tomé e Príncipe, Benim, Costa do Marfim, República da Guiné e Libéria votaram contra a proposta do santuário, na terça-feira.

O Senegal também se expressou contra a proposta, mas não pode votar devido a taxas não pagas.

Os países apoiaram o Japão na CIB, em acordo com as posições coordenadas através da Conferência Ministerial sobre a Cooperação no Domínio das Pescas entre os Estados Africanos Fronteiriços do Atlântico (ATLAFCO, também conhecida pelo seu acrónimo francês COMHAFAT).

A criação do santuário teve o apoio de 39 países, com 25 outros a votarem contra e os restantes abstiveram-se de votar na proposta, que precisava da aprovação de uma maioria de dois terços dos 89 membros.

O ministro do Meio Ambiente do Brasil, Edson Duarte, cujo país defende a criação do santuário desde a reunião da CIB em 2001, disse estar dececionado com este bloqueio, mas assumiu que continuará a procurar por apoio internacional à proposta.

"Como ministro do Meio Ambiente num país com 20% da biodiversidade mundial nas suas florestas, sentimo-nos altamente responsáveis pela administração da nossa riqueza, para o mundo inteiro, e isso também vale para os cetáceos", disse Edson Duarte.

Vários grupos ambientalistas manifestaram a sua preocupação pela rejeição da criação do santuário de baleias.

Gautier Amoussou e Josea Dossou Bodjrenou, do Eco-Benin e Nature Tropicale, expressaram, em comunicado conjunto, a posição assumida pelo representante da pesca do Benim, afirmando que "inesperadamente, Benin votou 'não' na adoção do santuário, em contradição com o Programa de Ações" do Governo, "que coloca especial ênfase no turismo marítimo".

"Sob o disfarce do COMHAFAT, os estados costeiros da África Ocidental simplesmente acompanharam o Japão na sua política de caça às baleias. Esta é uma imagem muito má para Benim", mencionaram.

Bastien Loloum, representante da organização não-governamental (ONG) OIKOS de São Tomé e Príncipe, assumiu que "está particularmente desapontada por São Tomé e Príncipe ter votado contra a adoção do santuário à luz dos benefícios que o país poderia ter ganhado como estado de abrangência".

A preocupação foi reproduzida pela Fundação Príncipe Trust (FPT), outra ONG de São Tomé e Príncipe.

A porta-voz Estrela Matilde afirmou que a FPT "está extremamente desapontada" com a posição do Governo de São Tomé e Príncipe contra a criação de um santuário de baleias do Atlântico Sul.

"Esta posição vai numa direção diferente e preocupante de todo o trabalho que a FPT tem feito na Ilha do Príncipe, uma Reserva da Biosfera da UNESCO. O uso sustentável e responsável dos recursos naturais, utilizando o turismo como ferramenta, é a única estratégia que permitirá o desenvolvimento social e económico das comunidades e a preservação da biodiversidade única das nossas ilhas. Esta votação e posição é uma preocupação para todas as organizações do país que estão a trabalhar para uma estratégia diferente", indicou.

O santuário proposto estender-se-ia do Equador às águas da Antártida dando proteção completa de comércio baleeiro e contém um plano de gestão para coordenar iniciativas regionais de conservação, pesquisa científica e observação responsável de baleias.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.