Romance juvenil americano e biografias "de grande pessoas" entre novidades da 2020

Contos de Ana de Castro Osório, uma nova coleção de biografias e um guia para deixar de usar plástico são alguns dos livros para crianças e jovens que o grupo editorial 2020 publicará até ao verão.

De acordo com o plano editorial divulgado pelo grupo 2020, até junho serão editados cerca de 30 livros através das chancelas Booksmile e Fábula, entre romance juvenil, dominado pela produção norte-americana, e livro ilustrado, de ficção e informativo.

Pela Fábula, destaque em junho para a reedição da antologia de contos "O esperto e outras histórias", da pedagoga Ana de Castro Osório, considerada a primeira grande impulsionadora da literatura infanto-juvenil em Portugal.

Ana de Castro Osório, escritora, jornalista, feminista e republicana, que morreu em 1935, deixou obra literária para adultos, mas também para crianças, entre inéditos e recolhas da tradição oral e popular. O volume que sairá em junho pela Fábula recupera uma edição antiga da Terramar, já fora de circulação, com ilustrações de Luís Manuel Gaspar.

Em fevereiro sairão, pela Fábula, "O André Semeão não tem um cavalo", primeira obra da autora norte-americana Marcy Campbell, com ilustrações de Corinna Luyken, e "Robot em Fuga", de Peter Brown, sequela do romance juvenil "Robot Selvagem", deste autor norte-americano.

A eles junta-se ainda "Depois", o terceiro de uma série de sete romances juvenis de Morris Gleitzman, inspirados numa história da Segunda Guerra Mundial. Do autor estão publicados "Um dia" e "A seguir".

Do catálogo da Fábula, a partir de março fará parte uma nova coleção, intitulada "Pequeno livros sobre grandes pessoas", com obras de pequeno formato sobre "figuras inspiradoras da História", escritas pela britânica Isabel Thomas e com vários ilustradores.

Os primeiros títulos da coleção serão dedicados a Fernão de Magalhães, Leonardo da Vinci e Anne Frank, aos quais se juntam em abril guias biográficos sobre Charles Darwin, Frida Kahlo e Nelson Mandela.

Em março sairá ainda o livro ilustrado "O duende que caiu da lua", de Rita Mira, ilustrado por Carla Nazareth.

A Fábula publicará em abril "Eu e o meu medo", da autora italiana Francesca Sanna, de quem saiu em 2018 "A viagem", livro ilustrado sobre migrações e refugiados.

Pela primeira vez nas livrarias portuguesas estará, a partir de abril nesta chancela, a obra do premiado autor norte-americano Jason Reynolds, com a publicação do romance juvenil "Ghost", sobre um adolescente que encontra no desporto um escape pessoal. Nos Estados Unidos, depois deste e com o mesmo contexto ficcional, o autor publicou "Patina", "Sunny" e "Lu".

Pela Booksmile, neste mês de janeiro, e acompanhando um tema da atualidade sobre ambiente e poluição, é editado o livro de não-ficção "50 ideias para te livrares do plástico", de Isabel Thomas.

Entre fevereiro e abril, o autor português Nuno Caravela publicará "Labirinto", o 24.º livro da série "O Bando das Cavernas" e publicará duas obras, de pendor mais pedagógico, sobre a História de Portugal, protagonizada pelos mesmos personagens pré-históricos da saga.

Do escritor escocês Ross Montgomery, de quem a Booksmile editou no ano passado o romance juvenil "O meu amigo de outro mundo", sairá em abril um novo livro, ainda com o título em inglês "Max and the millions".

Em abril chegará também "A menina furacão e o menino esponja", o quinto título que a Booksmile edita do autor e psicólogo brasileiro Ilan Brenman.

Até junho, a Booksmile editará ainda livros didáticos sobre o espaço, sobre Galileu ou Einstein e a ficção "Wonderland", de Barbara O'Connor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.