Romance de amor e luto que reflete situação política de Israel publicado na Elsinore

Um romance de amor e luto, que explica o que é viver em Israel, expondo as feridas abertas de uma sociedade, escrito por uma das autoras israelitas mais lidas do mundo, chega este mês às livrarias, editado pela Elsinore.

"Dor", de Zeruya Shalev, traduzido diretamente do hebraico e já publicado em 25 países, conta a história de um matrimónio e de uma família, que reflete simultaneamente a situação política atual em Israel.

Segundo a editora, trata-se de "uma viagem catártica através do sofrimento, do passado e da luta para viver plenamente o presente".

A personagem principal deste romance é Íris, uma mulher de 45 anos, casada e com dois filhos, que julga ter superado os dois grandes traumas do seu passado: o abandono por parte de Eitan, o seu primeiro amor, que quase a levou ao suicídio, e o atentado terrorista de que foi vítima.

À distância de dez anos, ainda em resultado do atentado, a dor física de Íris regressa subitamente, ao mesmo tempo que a mulher reencontra Eitan por acaso.

Juntando a estes dois acontecimentos, a suspeita de adultério do atual marido e a preocupação pela filha adolescente, envolvida com um homem casado, fazem quase colapsar o frágil equilíbrio que Íris construiu ao longo dos anos.

Deste romance, disse a imprensa ter sido "escrito num só fôlego" e que "por detrás da intimidade se esconde uma mensagem política", que é "um romance que circunda a situação política de Israel, preferindo fazê-la refletir-se nas preocupações das suas personagens, no seu luto e acontecimentos domésticos e privados", ou ainda que é "um livro que nos explica o que é viver em Israel, escrito com rara intensidade".

Zeruya Shalev, "uma verdadeira arqueóloga da alma", como a descreveu a crítica literária, é uma das escritoras israelitas mais lidas do mundo, a par de David Grossman e de Amos Oz, falecido em dezembro do ano passado, que descreveu este romance como "um grande livro que termina com uma catarse terapêutica".

Autora de cinco romances, um livro de poesia e um livro infantil, Zeruya Shalev tinha apenas uma obra traduzida em Portugal, "Vida Amorosa de uma Mulher", editada em 2001 pela Presença, e há muito esgotada.

A sua carreira conta com inúmeras distinções e prémios, entre os quais o Prémio Fémina Étranger, Books of the Year in Translation, e o Prémio Jerusalém.

Em 2017, foi condecorada pelo governo francês com a distinção de Chevalier des Arts e des Letres.

Zeruya Shalev nasceu no Kibbutz Kinneret, em 1959, tem um mestrado em estudos bíblicos e trabalha como editora literária na chancela Keshet.

Em janeiro de 2004, quando regressava a casa, em Rehavia, Jerusalém, após ter deixado o filho na escola, um atentando bombista fez explodir um autocarro, no momento em que ela passava. Zeruya Shalev demorou quatro meses a recuperar dos ferimentos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.