Ricardo Melo Gouveia entusiasmado com GolfSixes em Cascais

O português Ricardo Melo Gouveia assumiu hoje o seu entusiasmo com a organização do torneio GolfSixes, na Quinta da Marinha, em Cascais, entre 07 e 08 de junho, pela primeira vez fora do Reino Unido.

"São notícias refrescantes para o golfe português. Eu joguei a primeira edição do GolfSixes em 2017 e foi um torneio fantástico, do qual todos os jogadores gostaram muito. Espero que este formato excitante possa inspirar uma nova geração de golfistas em Portugal", afirmou Melo Gouveia, citado pelo European Tour.

Em 2017, Melo Gouveia e José-Filipe Lima, atual número um português, levaram a equipa lusa aos quartos de final do torneio.

O presidente executivo do circuito, Keith Pelley, também partilhou a satisfação do golfista luso.

"Gostaria de agradecer ao município de Cascais e à U.COM pela sua visão em trazerem o GolfSixes ao público português e estamos seguros de que iremos passar um fim de semana fantástico em Cascais no próximo mês de junho", referiu Pellye, salientando que a organização fora do Reino Unido "é uma evolução verdadeiramente excitante".

O arranque do torneio no campo Oitavo Dunes, na Quinta da Marinha, foi antecipado em um dia e vai ser disputado em 07 e 08 de junho, uma sexta-feira e sábado, uma vez que no domingo, dia 09, vai ser disputada, no Porto, a final da Liga das Nações de futebol, competição para a qual Portugal está qualificado.

Neste torneio, que distribui um milhão de euros em prémios monetários, 16 pares por nações vão defrontar-se em partidas de seis buracos.

Os 16 pares vão ser divididos por quatro grupos, promovendo embates de todos contra todos em três partidas de seis buracos. Os dois primeiros de cada grupo avançam para os quartos de final, a disputar no segundo dia de prova.

Em 2018, o GolfSixes foi disputado em St. Albans, em Inglaterra e foi vencido pelos irlandeses Paul Dunne e Gavin Moynihan.

O Oitavos Dunes já recebeu o Open de Portugal entre 1953 e 1988, em 2005 e entre 2007 e 2009.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.