Resposta das Forças Armadas em desastres vai ser mais frequente - Ministro

A resposta das Forças Armadas em desastres humanitários vai ser uma realidade cada vez mais frequente e mais presente, afirmou hoje, em Coimbra, o ministro da Defesa, João Gomes Cravinho.

O "inter-relacionamento entre a missão essencial das Forças Armadas e o apoio às populações é uma característica que acho que precisa de ser cada vez mais evidenciada", defendeu o membro do Governo, que falava na sessão de encerramento do 4.º Seminário IDN (Instituto da Defesa Nacional) Jovem, que decorreu na Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra (FEUC).

O ministro apontou para o caso do deslizamento de terras e colapso de um troço da estrada em Borba, onde além das várias instituições civis, estão engenheiros do Exército, assim como mergulhadores e equipamentos da Marinha.

"Isso é uma reação natural e frequente e imediata que as Forças Armadas têm. Acho que vai ser uma realidade cada vez mais visível", assim como "mais frequente e mais presente", vincou.

No discurso, João Gomes Cravinho apontou como exemplo disso a proposta de Lei de Programação Militar, aprovada na quinta-feira em Conselho de Ministros, que prevê um investimento de 4,74 mil milhões de euros, em que a grande maioria é "em equipamento de duplo uso - utilizável para efeitos militares, e é essa a sua lógica primordial, mas também utilizável para situações civis".

Face à possibilidade de os desastres humanitários poderem ser cada vez mais frequentes, a colaboração das Forças Armadas nesta área também será maior, realçou, considerando que essa aproximação já está a ser feita.

Durante a sessão de encerramento, João Gomes Cravinho alertou também para os desafios na área da ciberdefesa, que considerou terem "muita relevância" no atual momento.

Essa área, destacou, será prioritária no que toca ao desenvolvimento de capacidades novas nos próximos anos, disse o ministros, salientando que é necessário renovar o pensamento estratégico e o desenvolvimento de competências nesta área específica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.