Resgatados 61 homens de origem magrebina que pretendiam rumar a Espanha

Algeciras, Espanha, 21 abr 2019 (Lusa) - O Salvamento Marítimo espanhol resgatou hoje 61 homens de origem magrebina, um deles menor, que viajavam numa embarcação pneumática com motor junto ao estreito de Gibraltar, rumo a Espanha.

Os imigrantes ilegais foram recolhidos pelo navio "Salvamar Arcturus" pelas 11:10 (menos uma hora em Lisboa) e encaminhados para o porto de Algeciras, onde um dispositivo de apoio social e sanitário os aguardava.

A embarcação onde seguiam os homens foi detetada por um avião da Agência Europeia de Gestão da Cooperação Operacional nas Fronteiras Externas (Frontex), um organismo da União Europeia, que coordena a cooperação operacional entre os Estados-Membros no domínio da gestão das fronteiras externas.

O navio-patrulha "Rio Guadiana", da Guarda Civil espanhola, dirigiu-se para o local após o alerta e aguardou a chegada do "Salvamar Arcturus".

Dados da Frontex indicam que mais de dois milhões de imigrantes entraram na Europa desde 2015.

Em 2018, o número de migrantes que entrou na UE foi 43% mais baixo do que o ano anterior e que as intercetações nas valas fronteiriças que separam Ceuta e Melilla de Marrocos, no norte de África, desceram 70%.

Os naturais de Marrocos, Guiné-Conacri e Mali somam o número mais alto de chegadas a Espanha este ano.

Um 'modus operandi' específico usado pelos marroquinos é atravessar o estreito de Gibraltar em moto aquática, praticando-se o preço de 3.000 euros.

Frontex detetou também um incremento no número de menores marroquinos, mais 50% do que em 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".