Renault chega a acordo sobre a sua representação na gestão da Nissan

Paris, 20 jun 2019 (Lusa) - O construtor automóvel Renault chegou a acordo com a Nissan sobre a sua representação na nova gestão do fabricante japonês, anunciou hoje o grupo francês em comunicado.

Este acordo abre caminho a um voto positivo da Renault na assembleia-geral de acionistas da Nissan sobre este assunto, na próxima terça-feira.

O construtor francês, principal acionista da Nissan com 43% do capital, tinha ameaçado não votar a favor da proposta se dois dirigentes seus, Jean-Dominique Senard e Thierry Bolloré, não estivessem representados nas novas instâncias de administração da Nissan, impedindo que recebesse os dois terços de apoios necessários.

Segundo fonte próxima do grupo, citada pela AFP, Senard, presidente da Renault, vai ter assento no comité de nomeações da Nissan e Bolloré, diretor-executivo, ficará na comissão de auditoria, não havendo qualquer representante francês num terceiro comité sobre remunerações. Os três comités são propostos num plano de reestruturação do fabricante japonês, recomendado para impedir a falta de controlo atribuída à anterior gestão de Carlos Ghosn.

A Renault "acolhe com satisfação a decisão da Nissan de dar aos seus dois representantes um lugar nos comités da Nissan, que serão apresentados à assembleia-geral de acionistas de 25 de junho", precisou o grupo francês em comunicado.

O acordo "confirma o espírito de diálogo e respeito mútuo que existe no seio da aliança", segundo o comunicado.

Senard e Bolloré são os dois representantes da Renault no Conselho de Administração da Nissan.

Inicialmente a Nissan manifestara reservas em relação a designar Bolloré para um dos comités, dado que este dirigente apoiou durante bastante tempo Carlos Ghosn, antigo líder da Nissan e da Renault, detido no Japão em novembro e acusado de irregularidades financeiras.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.