Relatório da ONU coloca Brasil na categoria de desenvolvimento "alto"

O Brasil mantém 79.º lugar no Relatório Global do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), com um índice de desenvolvimento humano (IDH) de 0,759, que coloca o país na categoria de desenvolvimento "alto".

No relatório global divulgado hoje, com dados relativos ao ano de 2017, todos os números anteriores foram atualizados e recalculados segundo novas metodologias para um total de 189 países, dando assim ao Brasil sete anos de crescimento consecutivo, em vez da redução de IDH que tinha sido calculada de 2015 para 2016.

O maior país da América do Sul tem melhorado o IDH todos os anos desde 2010, quando tinha um valor de 0,727 e encontra-se agora imediatamente a seguir à Venezuela, que em cinco anos desceu 16 posições.

O IDH é dividido em três dimensões da vida humana: saúde (aliada a longevidade), qualidade de vida (medida em rendimento nacional bruto per capita) e educação, com dados recolhidos por agências nacionais e internacionais até 15 de julho de 2018.

A edição deste ano destaca cinco aspetos de avaliação: qualidade do desenvolvimento humano, desigualdades de género, emancipação das mulheres, sustentabilidade ambiental (incluindo a qualidade ambiental como parte do desenvolvimento humano) e sustentabilidade socioeconómica.

Com cerca de 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB) investido em pesquisa e desenvolvimento, o Brasil é um dos 63 países com melhor investimento nestas áreas, sendo que a Noruega, país mais desenvolvido do mundo, investe 1,9% do PIB e Portugal investe 1,3%.

A esperança média de vida à nascença são 75,7 anos.

Apesar dos progressos, o Brasil é o país menos seguro da lusofonia, sendo que detém, de longe, o maior índice de homicídios. Por ano, em 100 mil pessoas, mais de 29 são assassinadas (o segundo valor de homicídios mais alto entre países lusófonos é 11,5 em 100 mil, em Cabo Verde) e 301 estão na cadeia. Apenas 23% das mulheres brasileiras e 40% dos homens dizem sentir-se seguros.

A orfandade no Brasil é a maior dos 112 países de desenvolvimento classificado como "alto" e "muito alto", com o quinto maior número em 189 países: cerca de 3,2 milhões de crianças órfãs.

A nível político, apenas 17% da população confia no Governo.

Tendo em conta a desigualdade de distribuição à população de todos os recursos estudados, o país estaria posicionado 17 lugares abaixo, com um valor de 0,578.

A desigualdade na distribuição de rendimentos é de 36,7% - o mesmo é dizer que mais de 36% do total de rendimentos da população está concentrada num nicho e não chega a todos de forma igual.

Em termos de empregabilidade, as mulheres têm menos acesso a empregos do que os homens, pelo que 74,7% dos homens maiores de 15 anos estão empregados, enquanto nas mulheres maiores de 15 anos esse valor é de 53,2%.

A taxa de desemprego é de 12,9%.

A taxa de gravidez na adolescência (considerada entre os 15 e 19 anos) é a 8.ª mais elevada entre os 53 países da categoria de desenvolvimento "alto". O trabalho infantil (entre crianças e jovens de 5 a 17 anos) é 5,4%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.