Reis da Holanda passeiam em Lisboa para conhecer o que está para lá do programa oficial

Os reis da Holanda receberam hoje, nos Paços do Concelho, as chaves da cidade de Lisboa, seguindo num passeio a pé e de elétrico até Arroios, onde ficaram a conhecer a zona através dos testemunhos das suas gentes.

Depois dos encontros oficiais com o Presidente da República e com o presidente da Assembleia da República, que decorreram de manhã, os reis receberam as chaves da cidade pelas mãos do presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina.

À saída, cerca de três dezenas de turistas estrangeiros aguardavam os monarcas na Praça do Município, tendo-os cumprimentado. Praticamente todos estavam de telemóvel no ar, a gravar o momento.

Os monarcas seguiram depois a pé até ao Terreiro do Paço, ladeados por Fernando Medina e acompanhados por alguns vereadores, até entrarem num elétrico, onde foram à janela com destino ao Arquivo Fotográfico Municipal.

Já dentro do elétrico, e quando questionada sobre o que achava de Lisboa, a rainha respondeu em inglês que, mesmo estando na capital portuguesa há apenas dois dias, já a considera "muito bonita".

De lá, os reis seguiram a pé até ao Intendente, onde se reuniram com alguns parceiros sociais no Largo Residências, e participaram num debate sobre "vizinhanças em transição".

A diretora desta cooperativa cultural, Marta Silva, explicou à agência Lusa que "este é um projeto que trabalha através de práticas culturais de intervenção social" e que pretende "criar uma ponte e uma mediação entre as pessoas e as políticas de mudança do território".

A Holanda é um dos parceiros desta organização, através de uma rede europeia.

"Eu fiquei muito contente, porque no fundo esta foi uma opção de visita muito interessante, que é paralelo a um programa oficial de estar com o Presidente da República, com o primeiro-ministro", confessou Marta Silva.

A responsável referiu que os reis "quiseram fazer uma visita não institucional, foi intenção da embaixada trazê-los cá para conhecerem um lugar que teve uma mudança, mas quiseram conhecê-lo com as pessoas que trabalham e que vivem aqui".

Também presente na reunião, a presidente da Junta de Freguesia de Arroios disse à Lusa que os reis ficavam "com uma imagem bastante positiva, gostaram dos projetos que ouviram" e que têm sido implementados na zona ao longo dos últimos seis anos.

"Isso foi extremamente importante. Eles fizeram perguntas, gostaram, perceberam que era uma freguesia de inclusão", acrescentou Margarida Martins.

A autarca disse que o rei Guilherme Alexandre e a rainha Máxima "vão voltar [a Lisboa] e vão gostar" e manifestou a esperança de que dessa vez o possam fazer "enquanto cidadãos".

O aparato não passou despercebido a algumas das pessoas que se cruzaram com a comitiva e que se dirigiam aos jornalistas para perguntar de quem se tratava.

Alguns munícipes e turistas cumprimentaram o rei Guilherme Alexandre e a rainha Máxima, aproveitando ainda para elogiar a beleza da regente.

No final da visita, os monarcas foram agraciados com uma atuação do Grupo Limpeza Urbana Municipal (GLUM), um projeto que pretende ser "um alerta para a população local sobre higiene urbana".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.