Regressos de Dulce Félix e Marcos Chuva nos apuramentos para o Nacional de clubes

Benfica e Juventude Vidigalense dominaram hoje completamente as suas séries de apuramento para os Campeonatos Nacionais Atletismo de Clubes em pista coberta, em Pombal, num dia em que Dulce Félix e Marcos Chuva regressaram à competição 'indoor'.

Os melhores resultados surgiram na jornada da tarde, onde participavam as equipas do Benfica. Em masculinos, os 'encarnados' ficaram à beira do total de vitórias individuais, não fora a desclassificação de João Fonseca nos 800 metros, que proporcionou o triunfo a João Peixoto, do Braga.

A principal nota vai para o regresso de Marcos Chuva à competição, depois de ter cumprido 12 meses de suspensão, por violação do regulamento antidoping. Chuva saltou 7,67 metros, melhor marca portuguesa do ano.

Além dele, na equipa masculina do Benfica, destaque para Tsanko Arnaudov, no peso, Diogo Antunes, nos 60 metros, e Francisco Barreto, na altura (Paulo Conceição foi ao triplo). Nos 400 metros, os resultados foram manuais, portanto não homologáveis.

Em femininos, as benfiquistas conseguiram 10 vitórias (em 13 provas), registando-se o regresso da maratonista Dulce Félix à pista coberta, correndo e vencendo os 3.000 metros. Desde 2015 que a atleta não competia nestes campeonatos.

Eliana Bandeira fez a melhor marca portuguesa do ano no lançamento do peso, registando-se triunfos de Teresa Carvalho no comprimento, Delphine Nkansa nos 60 metros e Rivinilda Mentai nos 400 metros.

Na jornada da manhã, destacou-se a equipa do Juventude Vidigalense, que venceu 11 das 13 provas do programa (a exceção foi Ana Oliveira, do Fátima, que venceu a altura e o comprimento), destacando-se a velocista Joana Carlos, nos 60 metros, e ainda Carla Mendes, nos 800 m.

Já em masculinos, a Juventude Vidigalense venceu sete provas, com destaque para Claudino Tavares, nos 400 metros, e Rafael Correia nos 60 m barreiras. José Pinho, do Cucujães, venceu o peso e foi outro dos destaques individuais.

Vencedores da jornada da manhã:

Femininos (todas do Juventude Vidigalense, exceto as assinaladas): 60 m - Joana Carlos, 7,68 segundos; 400 m - Beatriz Rebelo, 61,00s; 800 m - Carla Mendes, 2.10,39 minutos; 1.500 m - Andreia Pingueiro, 4.24,4m; 3.000 m - Lília Martins, 9.47,81m; 60 m barreiras - Raquel Lourenço, 8,97s; altura - Ana Oliveira (GA Fátima), 1.73 metros; vara - Sofia Rodrigo, 2.80m; comprimento - Ana Oliveira (GA Fátima), 5,93m; triplo - Juliana Brites, 11.97m; peso - Inês Carreira, 12,47m; 3.000 m marcha - Kristina Saltanovic, 14.35,47 minutos; 4x400 m - Juventude Vidigalense, 4.10,81m.

Masculinos: 60 m - Lucas Dias (JV - Juventude Vidigalense), 7,11 segundos; 400 m - Claudino Tavares (JV), 49,92s; 800 m - Hugo Gil (Novas Luzes), 1.57,05 minutos; 1.500 m - Miguel Damião (ACR Cambra) 4.02,73m; 3.000 m - João Bernardo (JV), 8.27,33m; 60 m barreiras - Rafael Correia (JV), 8,32s; altura - Alexandre Lucas (CA M. Grande), 1,98 metros; vara - Samuel Leal (NA Cucujães), 3,80m; comprimento - André Pinto (JV), 6,87m; triplo - Mário Pamente (N. Luzes), 14,50m; peso - José Pinho (NA Cucujães), 16,10m; 5000 m marcha - Pedro Santos (JV), 22.39,88 minutos; 4x400 m - Juventude Vidigalense, 3.26,15m.

Vencedores da jornada da tarde:

Femininos (todas do Benfica, exceto as assinaladas): 60 m - Delphine Nkansa, 7,44 segundos; 400 m - Rivinilda Mentai, 55,70s; 800 m - Francisca Cantante (Eirense), 2.18,55 minutos; 1.500 m - Carla Reis, 4.36,50m; 3.000 m - Dulce Félix, 9.25,29m; 60 m barreiras - Fatumata Balde, 8,76s; altura - Andreia Nicolau (CA Seia), 1,61 metros; vara - Beatriz Batista, 3,65m; comprimento - Teresa Carvalho, 6,01m; triplo - Shaina Mags (SC Braga), 12,97m; peso - Eliana Bandeira, 16,38m; 3000 m marcha - Mara Ribeiro, 13.43,18 minutos; 4x400 m - 3.58,74m.

Masculinos (todos do Benfica, exceto o assinalado): 60 m - Diogo Antunes, 6,78 segundos; 400 m - Mauro Pereira, 48,5s; 800 m - João Peixoto (SC Braga), 1.55,05 minutos; 1.500 m - Issac Nader, 3.53,54m; 3000 m - Alexandre Figueiredo, 8.20,35m; 60 m barreiras - Abdel Larrinaga, 8,06; altura - Francisco Barreto, 2,06; vara - Ícaro Miranda, 5,15; comprimento - Marcos Chuva, 7,67; triplo - Paulo Conceição, 14,35; peso - Tsanko Arnaudov, 19,23; 5000 m marcha - Miguel Rodrigues, 20.24,65; 4c400 m - Benfica, 3.17,90.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.