Região de Coimbra cria Gabinete Técnico Florestal Intermunicipal

A Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra (CIM/RC) anunciou hoje a criação de um Gabinete Técnico Florestal Intermunicipal, organismo que visa divulgar políticas florestais e disponibilizar informação técnica daquele âmbito aos municípios que a integram.

O novo gabinete, constituído recentemente, tem ainda como missão "contribuir para uma melhor articulação e funcionamento integrado dos gabinetes municipais" e "articular a implementação das ações estabelecidas nos diversos diplomas legais e planos relativos a políticas florestais na Região de Coimbra", refere, em comunicado enviado à agência Lusa, a CIM/RC.

"Para além de verificar a compatibilização da informação cartográfica dos planos de âmbito florestal municipais e do calendário de execução, o gabinete intermunicipal assume como compromisso a definição da norma de transposição dos Planos Regionais de Ordenamento Florestal (PROF) para os Planos Diretores Municipais (PDM) junto dos municípios, bem com a preparação das propostas de normativos para a respetiva transposição", assinala.

A missão da nova estrutura daquela que é a maior comunidade intermunicipal do país - que reúne os 17 municípios do distrito de Coimbra e ainda Mealhada (Aveiro) e Mortágua (Viseu) - inclui ainda a "preparação da formação no âmbito dos Sistemas de Informação Geográfica (SIG) e de utilização da mesma junto dos Gabinetes Técnicos Florestais municipais da Região de Coimbra".

O Gabinete Técnico Florestal - que funciona na sede da CIM/RC, em Coimbra, com apoio do ICNF e do Fundo Florestal Permanente - vai ainda "coligir toda a informação dos Planos Municipais de Defesa da Floresta Contra Incêndios" dos 19 municípios da CIM/RC e remetê-la ao Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) e "preparar e executar ações de fogo controlado e de sensibilização à escala intermunicipal".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?