Redução de vagas em Lisboa e Porto não chega para melhorar coesão territorial - politécnicos

Os politécnicos consideram que a redução das vagas em universidades de Lisboa e do Porto teve um efeito positivo para a coesão territorial, mas que é preciso avaliar o impacto da medida para a complementar.

"Não podemos fazer avaliações precipitadas de medidas... foi um primeiro passo. Num ano de diminuição de candidatos, se não houvesse uma diminuição de vagas em Lisboa e no Porto, não tenho a menor dívida de que menos candidatos iriam para outras instituições", disse à Lusa o presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), Pedro Dominguinhos.

Segundo os dados hoje revelados pela tutela, uma em cada dez vagas abertas no concurso nacional de acesso ao ensino superior ficaram vazias, tendo sido admitidos este ano 45.313 estudantes através deste concurso.

Comparado com o ano anterior, entraram menos 1.231 alunos, mas também houve menos cerca de 3.000 estudantes do 12.º ano que se inscreveram nos exames nacionais.

Questionado sobre impacto da redução de vagas nalgumas universidades de Lisboa e Porto este ano, o responsável do CCISP disse que a medida teve um efeito positivo, "mas é algo que deve continuar".

Insistindo que a medida é importante, mas insuficiente, Pedro Dominguinhos sublinhou que a redução de vagas aplicada este ano em Lisboa e no Porto "devia ser acompanhada de um reforço na ação social do '+Superior' (...) em que as instituições do ensino superior deveriam ter a possibilidade de escolher os cursos em que iriam ser atribuídas as bolsas".

O responsável destacou ainda a redução de alunos que se candidataram este ano e o aumento das escolhas de primeira opção que ocorreu em muitos casos nos politécnicos.

"Devemos olhar para o acesso nas varias vertentes, em que o concurso nacional é muito importante (...) mas há um conjunto de outras formas de ingresso que têm um peso mais importante nos politécnicos", afirmou, referindo-se aos maiores de 23 e aos portadores de Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTeSP).

"Acho que devemos valorizar estas questões (...). Os titulares de CTeSP que ingressaram nas licenciaturas nos politécnicos (...) aumentou significativamente e isto significa que estamos a potenciar o ingresso no ensino superior a públicos não tradicionais", afirmou.

Para o responsável, esta situação tem impactos positivos a vários níveis: "os provenientes de CTeSP vêm do ensino profissional e, em condições normais, se tivessem que fazer os exames e concorrer pelo concurso nacional de acesso, não ingressavam no ensino superior".

Apontou ainda os maiores de 23, recordando que a qualificação da população ativa em Portugal "é claramente deficitária quando comparada com a média europeia".

"Quando muitos candidatos ingressam pelo 'maiores de 23' são pessoas que estão no mercado de trabalho e têm a possibilidade de aumentar as suas qualificações. Isso é extremamente positivo", acrescentou.

Recusando fazer avaliações precipitadas, o presidente do CCISP recorda a comissão nomeada pela tutela para analisar o impacto da redução de vagas em Lisboa e no Porto e diz que "é preciso perceber o impacto das medidas aplicadas e corrigi-las se elas mostrarem que não são suficientes e precisam de ser complementadas".

"Estamos expectantes com o resultado desta avaliação e com eventuais medidas que possam ser prosseguidas, tendo a noção que se queremos coesão territorial, temos de encontrar mecanismos para ter mais estudantes do ensino superior noutras regiões que não apenas em Lisboa e no Porto", afirmou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.