Recorde do PSG na goleada de 9-0 sobre o Guingamp

O Paris Saint-Germain goleou hoje o Guingamp por 9-0, resultado que corresponde à sua maior vitória em casa em jogos do campeonato francês, competição que continua a liderar com 13 pontos de avanço sobre o Lille.

Neymar (11 e 68) inaugurou o marcador, porém Mbappé (37, 45 e 80) e Cavani (59, 66 e 76) fizeram 'hat-tricks', aos quais se juntou o tento de Meunier (83) no 'vendaval' do Parque dos Príncipes, frente ao último classificado, em jogo da 21.ª jornada.

Este histórico resultado ocorreu apenas 10 dias depois do Guingamp afastar o PSG da Taça da Liga, em Paris, impedindo o conjunto da capital de capital de discutir o sexto troféu consecutivo.

Mesmo com dois jogos em atraso, a equipa do alemão Thomas Tuchel lidera com 53 pontos, contra 40 do Lille, enquanto o Saint-Etienne, que joga no domingo com o Lyon, está a 17 do PSG.

O lado negativo do jogo para a equipa parisienses foi a lesão do médio Marco Verratti no tornozelo esquerdo, a menos de um mês da primeira mão dos oitavos de final da Liga dos Campeões, com o Manchester United.

O lateral esquerdo português Pedro Rebocho foi titular no Guingamp, que continua com 14 pontos, menos um do que o Mónaco e três que o Dijon, ambos com jogos por disputar.

O pesadelo do Mónaco persiste, desta vez com pesada derrota 1-5 em casa ante o Estrasburgo, num desafio em que os anfitriões ficaram reduzidos a 10 logo aos sete minutos, por expulsão do reforço brasileiro Naldo.

De pouco valeu o golo solitário de Falcao, pelo que os monegascos continuam penúltimos com apenas 15 pontos, mais um do que o Guingamp -- no fim, parte do grupo foi dar 'explicações' à claque, ainda assim em tom cordial.

O Toulouse ganhou fôlego no fundo da tabela ao vencer fora o Nimes, enquanto o Nice não foi além de 1-1 em casa do Reimes, que atrapalha as suas ambições europeias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.