Rebeca Grynspan defende que Conferência Iberoamericana evolua para Comunidade

A secretária-geral Iberoamericana, Rebeca Grynspan, considerou hoje em Lisboa que a Conferência Iberoamericana - que junta anualmente 19 países latino-americanos, Portugal, Espanha e Andorra -- deve evoluir para um conceito de "comunidade", com um relacionamento mais "simétrico e horizontal".

"Passamos de uma Cimeira de chefes de Estado, em 1991, para uma Conferência [Iberoamericana], em 2005, quando criamos a Secretaria-Geral Iberoamericana. [A partir desse momento] Já não era só uma Cimeira de Presidentes, mas sim reuniões setoriais de ministros, de Educação, Saúde, Cooperação, Ciência e Tecnologia, Cultura. Hoje, a transição que temos de fazer é passar de uma Conferência a uma Comunidade", disse a costa-riquenha Rebeca Grynspan.

Grynspan, que falava no decorrer da conferência "25 anos de Cimeiras Iberoamericanas - Um olhar sobre o Futuro", que se realizou na Casa da América Latina, em Lisboa, disse que o objetivo é conseguir "uma comunidade que se relacione de uma maneira muito mais simétrica e horizontal".

"Não um bloco na América Latina e outro bloco na Península Ibérica, mas sim uma comunidade de 22 países que se relacionam entre si, de igual para igual, de forma horizontal", salientou.

Em declarações posteriores à Agência Lusa, Grynspan sublinhou que não haverá avanços no relacionamento se os responsáveis políticos continuarem a considerar a América Latina um bloco de países e a Península Ibérica outro bloco de países.

"A América Latina já não pode estar numa relação vertical com os países ibéricos: de alguma forma houve um empoderamento da América Latina, por causa do seu desenvolvimento. É uma Iberoamérica com mais poder, que quer esta relação com Espanha e Portugal. Que a quer desde o século 19. Porque se trata de manter os vínculos, superando o passado colonial", afirmou a responsável à Lusa.

Questionada sobre se os parceiros europeus de Portugal e Espanha (nomeadamente na União Europeia) poderiam ver com desconfiança esse relacionamento reforçado dos países ibéricos com a América Latina, Rebeca Grynspan desdramatizou, convidando os restantes países europeus à juntarem-se como observadores.

"Convido-os a que se juntem à Conferência Iberoamericana como observadores. A França, a Itália, a Bélgica e a Holanda já são observadores. E outros países já o pediram: como o Luxemburgo. Oxalá se sigam outros países europeus", disse.

Rebeca Grynspan recordou ainda o percurso de 25 anos da Conferência Iberoamericana, desde a primeira cimeira, em 1991, em Guadalajara (México), "uma época em que o Muro de Berlim tinha caído há pouco tempo, em que ainda não havia Tratado da União Europeia" e as democracias latino-americanas eram "incipientes", muitas saídas de ditaduras recentes.

"Em 1991, Espanha e Portugal representaram um terço do PIB da América Latina. Agora representam um quinto. Hoje a América Latina alberga três países do G20. (...) Há 25 anos, a economia da China representava 19% do PIB da América Latina. Hoje é 66% maior do que o conjunto das 22 economias da América Latina e converteu-se no segundo maior parceiro comercial da região", descreveu a Secretária-Geral Iberoamericana.

A nível social, em 1991 quase metade da população da América Latina estava abaixo da linha de pobreza e hoje essa percentagem baixou para 28%.

"A arquitetura social da América Latina mudou radicalmente nos últimos 25 anos. (...) E dois terços dos países da América Latina estão na categoria de desenvolvimento humano 'alto' ou 'muito alto'", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".