Reaberta Estrada Nacional 9 encerrada para limpeza de derrame de gasóleo

A Estrada Nacional 9, nos concelhos de Torres Vedras e Alenquer, encerrada para limpeza, na sequência de um derrame de gasóleo, foi reaberta, disse hoje à Lusa fonte da GNR de Torres Vedras.

"A Estrada Nacional (EN) 9 já foi limpa e reabriu por volta da 01:30", indicou.

O derrame ocorreu na EN9 na noite de terça-feira, numa extensão de 30 quilómetros, desde o interior de Merceana e a praia de Santa Cruz, e provocou pelo menos 16 despistes de veículos, disse à Lusa uma fonte da empresa de limpezas da via.

As autoridades policiais disseram à Lusa que os despistes não provocaram vítimas.

A fonte da empresa de limpeza das estradas disse que já existiram outras situações semelhantes no passado, admitindo que o derrame tenha tido origem num camião cisterna de combustíveis, provavelmente devido a alguma mangueira mal fechada.

O comandante municipal da Proteção Civil de Torres Vedras, Fernando Barão, disse à Lusa que o alerta foi dado às autoridades pelas 19:30.

O derrame de gasóleo foi registado em "pelo menos 30 quilómetros" da EN9, desde a Merceana, no concelho de Alenquer, passando pela cidade de Torres Vedras, até à localidade da Coutada, ainda neste concelho, no distrito de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.