Rasul Dabo e Olímpia Barbosa com mínimos para os Europeus

Os barreiristas Rasul Dabo e Olímpia Barbosa conseguiram hoje a marca de qualificação para os Europeus de atletismo de pista coberta, que se realizam em Glasgow, de 01 a 03 de março.

No Centro de Alto Rendimento do Jamor, em Oeiras, no decorrer de umas jornadas técnicas organizadas pela federação e pela associação de Lisboa, Olímpia Barbosa correu os 60 metros barreiras em 8,20 segundos (a marca de qualificação), praticamente numa corrida solitária, depois de ter corrido uma eliminatória em 8,24 (a terceira vez que conseguia esse resultado esta época).

"Depois de ter feito 8,24 segundos, vim para a final com o pensamento de 'seja o que Deus quiser'. Estava já consciente de que tinha feito uma época muito boa, com recorde pessoal e por isso estava a aceitar o que acontecesse", referiu, dando conta de algumas dificuldades no treino, pois a atleta terminou a recruta dos Sapadores Bombeiros, e isso influiu um pouco com a preparação necessária para atacar o objetivo dos Europeus.

"Agora, conseguida a qualificação, é estar lá, desfrutar e fazer o melhor possível", concluiu a atleta do Sporting, um pouco antes de ver o seu colega de equipa e de treino Rasul Dabo seguir-lhe o exemplo.

Rasul Dabo correu os 60 m barreiras em 7,77 segundos, terminando em segundo lugar, atrás do brasileiro João Vitor Oliveira (7,71), do Benfica.

No final a festa completa, com os dois atletas abraçados, e Rasul Dabo a dar conta do que lhe passava pela cabeça.

"Na primeira corrida, na segunda barreira, quase caímos, mas fomos até o fim e ele fez 7,89 e eu 8,02 segundos. Pensei aí que na última corrida daria para a qualificação. E assim foi. Consegui, nesta prova, numa época em que apostei bastante para tentar ir aos Europeus. Acreditei sempre no trabalho que estava a ser feito", disse o atleta, afirmando ainda ter pouco mais de uma semana para corrigir uns pequenos erros antes de Glasgow.

No decorrer destas provas, houve atletas que ficaram perto da passagem para Glasgow. Nos 60 metros planos, Diogo Antunes, do Benfica, venceu em 6,73 segundos, ficando a um centésimo da qualificação, à frente dos colegas José Lopes (6,75) e Frederico Curvelo (6,76). Na mesma distância feminina, triunfo da brasileira Tamiris de Liz (Benfica) em 7,38 segundos.

O salto em comprimento foi 'misto', embora saltassem primeiro os homens. Triunfou o espanhol Jean Mai Okutu (7,81 m), com Ivo Tavares (Benfica) a ser segundo (7,70 m) e o seu colega de equipa Marcos Chuva a saltar 7,42 (quinto classificado).

Evelise Veiga (Sporting) voltou a saltar 6,40 metros, mas a qualificação (6,50) ficou distante, tal como no salto com vara, com Diogo Ferreira (Benfica) a saltar 5,30 metros e Marta Onofre (Sporting) a fazer 4,20.

Interessante a prova de triplo salto, com os sportinguistas Tiago Luís Pereira (16,13 metros) e Carlos Veiga (16,07) a perseguirem sem sucesso a qualificação (16,50 m) para os Europeus.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.