Rasul Dabo e Olímpia Barbosa com mínimos para os Europeus

Os barreiristas Rasul Dabo e Olímpia Barbosa conseguiram hoje a marca de qualificação para os Europeus de atletismo de pista coberta, que se realizam em Glasgow, de 01 a 03 de março.

No Centro de Alto Rendimento do Jamor, em Oeiras, no decorrer de umas jornadas técnicas organizadas pela federação e pela associação de Lisboa, Olímpia Barbosa correu os 60 metros barreiras em 8,20 segundos (a marca de qualificação), praticamente numa corrida solitária, depois de ter corrido uma eliminatória em 8,24 (a terceira vez que conseguia esse resultado esta época).

"Depois de ter feito 8,24 segundos, vim para a final com o pensamento de 'seja o que Deus quiser'. Estava já consciente de que tinha feito uma época muito boa, com recorde pessoal e por isso estava a aceitar o que acontecesse", referiu, dando conta de algumas dificuldades no treino, pois a atleta terminou a recruta dos Sapadores Bombeiros, e isso influiu um pouco com a preparação necessária para atacar o objetivo dos Europeus.

"Agora, conseguida a qualificação, é estar lá, desfrutar e fazer o melhor possível", concluiu a atleta do Sporting, um pouco antes de ver o seu colega de equipa e de treino Rasul Dabo seguir-lhe o exemplo.

Rasul Dabo correu os 60 m barreiras em 7,77 segundos, terminando em segundo lugar, atrás do brasileiro João Vitor Oliveira (7,71), do Benfica.

No final a festa completa, com os dois atletas abraçados, e Rasul Dabo a dar conta do que lhe passava pela cabeça.

"Na primeira corrida, na segunda barreira, quase caímos, mas fomos até o fim e ele fez 7,89 e eu 8,02 segundos. Pensei aí que na última corrida daria para a qualificação. E assim foi. Consegui, nesta prova, numa época em que apostei bastante para tentar ir aos Europeus. Acreditei sempre no trabalho que estava a ser feito", disse o atleta, afirmando ainda ter pouco mais de uma semana para corrigir uns pequenos erros antes de Glasgow.

No decorrer destas provas, houve atletas que ficaram perto da passagem para Glasgow. Nos 60 metros planos, Diogo Antunes, do Benfica, venceu em 6,73 segundos, ficando a um centésimo da qualificação, à frente dos colegas José Lopes (6,75) e Frederico Curvelo (6,76). Na mesma distância feminina, triunfo da brasileira Tamiris de Liz (Benfica) em 7,38 segundos.

O salto em comprimento foi 'misto', embora saltassem primeiro os homens. Triunfou o espanhol Jean Mai Okutu (7,81 m), com Ivo Tavares (Benfica) a ser segundo (7,70 m) e o seu colega de equipa Marcos Chuva a saltar 7,42 (quinto classificado).

Evelise Veiga (Sporting) voltou a saltar 6,40 metros, mas a qualificação (6,50) ficou distante, tal como no salto com vara, com Diogo Ferreira (Benfica) a saltar 5,30 metros e Marta Onofre (Sporting) a fazer 4,20.

Interessante a prova de triplo salto, com os sportinguistas Tiago Luís Pereira (16,13 metros) e Carlos Veiga (16,07) a perseguirem sem sucesso a qualificação (16,50 m) para os Europeus.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?