Quinto Festival de Cinema Europeu em Cabo Verde arranca quinta-feira na Praia

O quinto Festival de Cinema Europeu em Cabo Verde arranca quinta-feira na cidade da Praia com sessões de cinema europeu e curtas-metragens de jovens realizadores premiados em concursos financiados pela União Europeia (UE).

A iniciativa insere-se no contexto de intercâmbio cultural e da parceria especial entre a UE e Cabo Verde, e começou no ano passado com projeções nas ilhas do Fogo e do Maio, em outubro e novembro.

O festival, que se realiza em parceria com o Palácio da Cultura Ildo Lobo e o projeto de turismo comunitário Xalabas di Comunidadi, arranca quinta-feira com a projeção de filmes infantis vindos da Suécia, no Palácio da Cultura Ildo Lobo, na capital cabo-verdiana.

No mesmo dia, em que o festival será aberto pela embaixadora da UE em Cabo Verde, Sofia Moreira de Sousa, passa o filme espanhol "Viver é fácil com os olhos fechados" e duas curtas-metragens da realizadora cabo-verdiana Samira Vera-Cruz e do realizador angolano Mauro Pereira.

Na sexta-feira, o certame inclui curtas-metragens dos jovens realizadores da Guiné Bissau Rui da Costa ("Pá Nha Terra"), de Moçambique Yara Costa ("Vestindo a Religião"), e de Timor-Leste Victor Pereira ("Tara Bandu"), seguidas do filme português "Mudar de vida: José Mário Branco", sobre a vida do músico e compositor português José Mário Branco, e um filme sobre o sonho de emigrar "Para Paris... com o bilhete de Identidade", do Romeno Serban Marinesco.

No bairro de Achada Grande Frente, sábado, passará uma sessão com projeções de curtas realizadas no âmbito do projeto Xalabas di Comunidadi "Tcheka Zona".

No mesmo dia será inaugurada na Achada Grande Frente uma praceta e um quiosque requalificados, no âmbito do mesmo projeto e em parceria com a Câmara Municipal da Praia e a Associação Pilorinhu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.