Quatro prisões após explosão de carro-bomba na Irlanda do Norte

Quatro homens foram presos depois de um carro-bomba ter explodido no sábado em Londonderry, na Irlanda do Norte, informou hoje a polícia, que suspeita que dissidentes do Exército Republicano Irlandês (IRA) sejam os responsáveis pelo ataque.

Dois suspeitos de 20 anos foram presos esta manhã e outros dois homens, com idades entre 34 e 42 anos, foram presos esta noite na cidade, informou a polícia da Irlanda do Norte (PSNI).

A polícia publicou no 'Twitter' vários vídeos, um dos quais mostra uma pessoa a fugir do carro estacionado. Num segundo vídeo, vê-se um grupo de pessoas a passar perto do veículo algum tempo antes da explosão. Um terceiro vídeo mostra a explosão, com detritos projetados no ar e o carro devastado pelas chamas.

Os investigadores acreditam que o "novo IRA", um braço dissidente do IRA, estará por trás do ataque.

"A nossa principal pista é o 'novo IRA'", disse o vice-chefe da polícia, Mark Hamilton, em conferência de imprensa, falando num "pequeno grupo".

O veículo explodiu no sábado pouco depois das 20:00 no centro da cidade, perto do tribunal.

"Por volta das 19:55, os polícias na Rua Bishop avistaram um veículo suspeito e estavam a fazer verificações quando, cerca de cinco minutos depois, recebemos informações de que uma máquina tinha sido deixada no tribunal", explicou Mark Hamilton, através de um comunicado da polícia citado pela AFP.

A polícia começou imediatamente a retirar as pessoas dos edifícios próximos, incluindo centenas de hóspedes de um hotel e um grande número de crianças de um clube de jovens de uma igreja.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.