Quatro polícias mortos e um ferido após possível ataque terrorista

Pelo menos quatro polícias morreram e um ficou ferido na sequência de um ataque no norte do Iraque, desencadeado por desconhecidos suspeitos de integrarem o grupo 'jihadista' Estado Islâmico (EI), referiu hoje fonte policial à agência EFE.

De acordo com o capitão da polícia local, Ahmed Saleh, os agentes estavam a patrulhar a zona de Daquq, na província de Kirkuk, localizada a cerca de 230 quilómetros do norte de Bagdad, quando foram atacados.

A polícia montou um cordão de segurança na área do ataque, mas os atacantes conseguiram fugir.

Em dezembro de 2017, o Governo do Iraque anunciou a derrota do EI, após um esforço conjunto entre o exército e a polícia nas últimas zonas sob tutela dos 'jihadistas' na fronteira com a Síria.

Atualmente número indeterminado de membros do EI continuam no país, com o grupo extremista a ser acusado de inúmeros abusos -- execuções em massa, raptos, violações, sequestros e atentados -- durante os mais de quatro anos do seu califado, autoproclamado em 2014 em vastos territórios na Síria e no Iraque.

As tropas curdas concluíram a sua ofensiva contra o EI na Síria no passado dia 23 de março, o que levou a que aquela organização extremista perdesse o controlo sobre todos os territórios que dominava até então.

Dois dias depois, as forças árabe-curdas, apelaram à criação de um tribunal internacional especial no nordeste da Síria para julgar os 'jihadistas', defendendo que "devem ser julgados no país onde os crimes foram cometidos".

A guerra na Síria já causou mais de 360.000 mortos e milhões de deslocados e refugiados desde 2011.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.