PSP de Vila Real regista diminuição de 2,9% na criminalidade em 2018

Chaves, Vila Real, 24 abr 2019 (Lusa) -- O comandante distrital da PSP de Vila Real disse hoje que, em 2018, foram registadas 1.189 ocorrências criminais na área de intervenção desta polícia, o que representa uma diminuição de 2,9% relativamente a 2017.

O superintendente Vítor Barros Soares fez hoje, em Chaves, um balanço da atividade desta polícia, durante as comemorações do 136.º aniversário do Comando Distrital.

De acordo com o responsável, durante o ano passado, foram registadas pelo comando de Vila Real 1.189 ocorrências criminais, o que disse representar "uma ínfima percentagem de 0,7% das ocorrências verificadas a nível nacional".

São maioritariamente, acrescentou, crimes contra o património, seguidos pelos crimes contra as pessoas e crimes contra a vida em sociedade.

No ano passado, a PSP contabilizou 673 ocorrências criminais em Vila Real e 516 ocorrências em Chaves.

"Desta análise, concluímos que, a criminalidade geral em 2018, registou uma diminuição de 2,9%, comparada com o período homólogo de 2017", salientou.

O comandante adiantou que, já no primeiro trimestre de 2019, "a criminalidade geral verifica uma estabilização, facto que se repete na criminalidade violenta e grave".

Em 2018, foram efetuadas 593 operações de visibilidade policial e 1.123 operações de fiscalização de trânsito e foram detidas 181 pessoas.

Neste período, a PSP controlou 43.750 veículos por radar, levantou 596 autos de contraordenação por excesso de velocidade, submeteu 8.911condutores ao teste de alcoolemia e levantou 136 autos de contraordenação por excesso de álcool.

Vítor Barros disse ainda que, no âmbito do combate ao tráfico de estupefacientes, a polícia apreendeu 428 doses de droga e elaborou 35 autos de ocorrência por consumo.

Relativamente à atividade de fiscalização de armas e explosivos, foram efetuadas 16 fiscalizações a armeiros e 97 a locais de consumo de explosivos (nomeadamente pedreiras, obras de construção civil e explorações agrícolas), tendo sido elaborados 19 autos de notícia por contraordenação.

O objetivo destas ações é "precaver que esta matéria explosiva e seus componentes não sejam desviados para fins diferentes a que se destinam".

De acordo com o responsável, foram transferidas para o departamento de armas e explosivos da direção nacional da PSP 554 armas e 634 munições.

O comandante, no seu discurso, mostrou-se preocupado com "determinados tipos de delitos e de comportamentos antissociais que visam diretamente o cidadão e, como tal, fortemente influenciadores do sentimento de segurança da população".

Nesse sentido, destacou a aposta no policiamento de proximidade e de visibilidade e referiu que, em 2018, foram realizadas 548 ações nas escolas e ainda 51 direcionadas para o comércio seguro.

A festa de aniversário incluiu uma exposição de meios da PSP no Largo das Freiras, patente ao público hoje, em Chaves, e a 5.ª edição da caminhada solidária que se vai realizar no sábado e é organizada em conjunto com a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?