PSI20 segue em ligeira alta entre uma restante Europa atenta às negociações comerciais

A bolsa de Lisboa segue em ligeira alta, entre uma Europa atenta em relação às negociações comerciais entre os EUA e a China.

Pelas 08:44, a bolsa de Lisboa seguia com o principal índice a subir 0,32% para os 5.158,33 pontos.

Dos 18 títulos que compõem o índice, 11 seguiam em alta, cinco em baixa e dois inalterados.

A Navigator e a Mota Engil eram as ações que mais subiam, avançando 2,23%% e 1,70% para 4,32 euros e 1,92 euros, respetivamente.

A Galp avançava 0,63% para 14,48 euros, seguida do BCP que subia 0,55% para 0,24 euros e da Jerónimo Martins, que ganhava 0,16% para 12,77 euros.

A NOS e a Sonae eram as empresas que mais recuavam, com descidas de 0,56% e 0,33% para 5,32 euros e 0,90 euros.

A EDP desvalorizava-se 0,06% para 3,25 euros.

Lisboa seguia a negociar em linha com as principais congéneres europeias, num dia em que as bolsas de Wall Street estarão encerradas devido ao feriado do Dia do Presidente.

O presidente norte-americano, Donald Trump, mostrou-se na sexta-feira positivo quanto às perspetivas de acabar com a guerra comercial que dirige contra Pequim e evocou a possibilidade de prolongar a trégua antes de aumentar as taxas alfandegárias sobre as importações provenientes da China.

As negociações estão a correr "extraordinariamente bem", disse Donald Trump no final de uma terceira ronda negocial em Pequim.

As discussões entre chineses e norte-americanos têm sido um dos principais barómetros dos mercados financeiros durante as últimas semanas.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.