PSI20 desce 2,1% em dia de fortes quedas na Europa

A bolsa de Lisboa encerrou hoje com uma descida no índice PSI20 de 2,10% para 4.817,69 pontos, num dia de fortes quedas nas principais bolsas europeias.

Das 18 cotadas que integram o PSI20, só duas ficaram em terreno positivo. Os CTT lideraram as descidas com um recuo de 4,29% para 3,35 euros.

A Galp registou uma descida de 3,35% para 14,27 euros, quando o preço do petróleo cai nos mercados internacionais.

Com descidas acentuadas terminaram ainda a Mota-Engil (-4,02% para 1,62 euros), a Altri (-3,11% para 5,91 euros), a EDP (-2,64% para 3,02 euros) e o BCP (-2,57% para 0,24 euros).

A Jerónimo Martins perdeu 2,43% para 10,26 euros e com desvalorizações ligeiramente acima de 2% ficaram ainda a Pharol (0,18 euros), a Semapa (13,76 euros), a Corticeira Amorim (9,40 euros), a EDP Renováveis (7,66 euros) e a Sonae SGPS (0,81 euros).

Com descidas abaixo de 1% terminaram a REN (2,41 euros), a Ibersol (8,08 euros), a NOS (5,37 euros) e a Navigator (3,70 euros).

A impedir uma descida maior do PSI20 estiveram os ganhos de 1,16% da Ramada Investimentos para 8,75 euros e de 0,98% da Sonae Capital para 0,82 euros.

No resto da Europa, o dia foi de quedas fortes. Londres baixou 3,15%, Milão 3,54%, Frankfurt 3,48% e Paris 3,32%. Já a bolsa de Madrid encerrou com uma desvalorização de 2,75%.

Os analistas atribuem este recuo generalizado nos mercados aos receios de que a trégua no conflito comercial entre Washington e Pequim não leve a um acordo comercial, uma preocupação agravada com a detenção, no Canadá, da diretora financeira da empresa chinesa de tecnologia Huawei, Meng Wanzhou, a pedido dos Estados Unidos.

A meio da sessão, a bolsa nova-iorquina continua em terreno negativo, com o seu principal índice, Dow Jones, a recuar 2,41%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.