PSI cai 0,66% e acompanha tendência negativa das principais bolsas europeias

O principal índice da bolsa de Lisboa, o PSI20, encerrou hoje com uma descida de 0,66% para 5.265,52 pontos, acompanhando a tendência negativa das principais bolsas europeias.

Das 18 cotadas que integram o PSI20, dez caíram e oito subiram. A liderar as subidas ficou a Pharol, que avançou 3,66% para 0,21 euros.

Nas principais subidas ficou também a Ibersol, que ganhou 1% para 8,08 euros.

Com ganhos abaixo de 1% ficaram a Ramada Investimentos (7,80 euros), a Corticeira Amorim (10,78 euros), a Sonae SGPS (0,97 euros), a Mota-Engil (2,22 euros), a Sonae Capital (0,89 euros), a REN (2,65 euros) e a EDP (3,33 euros).

No sentido inverso, a liderar as perdas ficou a Galp, que cedeu 2,11% para 14,41 euros.

Nas principais descidas figuram ainda a Semapa, que perdeu 1,45% para 14,98 euros, a Navigator, que retrocedeu 1,16% para 4,26 euros, os CTT, que cederam 1,15% para 2,74 euros, e a Altri, que caiu 1,09% para 7,26%.

Com descidas inferiores a 1% ficaram o BCP (0,23 euros), a Jerónimo Martins (13,38 euros), a EDP Renováveis (8,60 euros) e a NOS (5,63 euros).

No resto da Europa, Frankfurt caiu 1,57%, Madrid 0,91%, Paris 0,80% e Londres 0,45%.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).