PSD Lisboa desafia Governo e BE a comentarem distúrbios nas últimas 24 horas

O PSD de Lisboa desafiou hoje o Governo e o Bloco de Esquerda a tomarem uma posição sobre os distúrbios ocorridos nas últimas 24 horas em vários pontos do país, afirmando que "estranha o silêncio".

"O PSD Lisboa estranha o silêncio do Governo e dos dirigentes do PS e Bloco, depois de no passado domingo a deputada Joana Mortágua do Bloco ter sido tão célere a criticar a polícia pela sua intervenção no bairro da Jamaica", refere a concelhia do PSD Lisboa em comunicado, lembrando os casos que ocorreram em Lisboa, Setúbal, Odivelas e Póvoa de Santo Adrião nas últimas horas.

Segundo o documento, os sociais-democratas questionam se o primeiro-ministro, António Costa, não tem nada a dizer sobre os acontecimentos e se a coordenadora do BE, Catarina Martins, e a deputada bloquista Joana Mortágua não vão "dizer ao país quais são, no seu entender, as explicações para os distúrbios ocorridos nas últimas 24 horas".

O PSD Lisboa deixou também críticas ao dirigente da SOS Racismo e assessor do BE Mamadou Ba, que publicou um texto na rede social Facebook em que fala da "violência policial" no bairro da Jamaica, no Seixal, e dos confrontos na segunda-feira em Lisboa, referindo-se à polícia como "a bosta da bófia".

"O silêncio do Governo e dos dirigentes do PS é o sinal claro da sua subserviência à irresponsabilidade das clientelas do Bloco de Esquerda, sacrificando a idoneidade e respeito que as forças de segurança nos merecem", acrescentam os social-democratas.

A PSP reforçou hoje o policiamento com elementos da Unidade Especial de Polícia na Bela Vista, em Setúbal, e em algumas zonas de Loures e Odivelas (distrito de Lisboa), após incidentes registados durante a noite, com o lançamento de 'cocktails Molotov' contra uma esquadra e o incêndio de caixotes e de viaturas.

O ministro da Administração Interna, que falava aos jornalistas após uma reunião de quatro horas com autarcas, na sede da Comunidades Intermunicipal do Algarve (AMAL), em Faro, disse ainda que "está em apreciação" a possibilidade de os polícias poderem vir a usar câmaras de vídeo nas fardas.

Classificando os incidentes registados como "fenómenos pontuais", Eduardo Cabrita sublinhou que "a tranquilidade e a serenidade" são essenciais e garantiu que "todas as matérias que forem suscetíveis de investigação no quadro do inquérito aberto no próprio dia serão esclarecidas".

Em comunicado, a PSP informou que continua as investigações a estes incidentes, "nada indiciando, até ao momento, que estejam associados à manifestação" de protesto contra uma intervenção policial no bairro da Jamaica, no Seixal (Setúbal).

Após a manifestação em frente ao Ministério da Administração Interna na segunda-feira, em Lisboa, quatro pessoas foram detidas na sequência do apedrejamento de elementos da PSP por participantes no protesto, convocado para dizer "basta à violência policial" e "abaixo o racismo".

Este protesto ocorreu um dia depois de incidentes em Vale de Chícharos, conhecido por bairro da Jamaica, entre a PSP e moradores, de que resultaram feridos cinco civis e um polícia, sem gravidade.

O Ministério Público e a PSP abriram inquéritos aos incidentes no bairro da Jamaica.

Os quatro manifestantes detidos em Lisboa vão ser julgados sumariamente em 07 de fevereiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.