PSD e união de freguesias lamentam encerramento das Águas do Caramulo

O PSD de Oliveira de Frades e a União de Freguesias de Arca e Varziela criticaram hoje a decisão do Super Bock Group de encerrar o Centro de Produção das Águas do Caramulo.

"Esta será, por parte da empresa que detém as principais marcas de águas lisas, uma ação estratégica do ponto de vista comercial e empresarial, numa lógica de otimização de recursos", referem, num comunicado conjunto.

O partido e a união de freguesias lamentam que o Super Bock Group ignore "toda a responsabilidade de uma unidade na vertente económica e social", lembrando que a empresa está instalada em Varzielas há 40 anos, "retirando os máximos dividendos dos recursos naturais" das nascentes.

O Super Bock Group (antiga Unicer) anunciou na sexta-feira que vai encerrar, em fevereiro, o centro de produção do Caramulo, onde trabalham 26 pessoas.

Segundo o PSD e a União de Freguesias de Arca e Varziela, "as Águas do Caramulo sempre se distinguiram pela alta qualidade, pureza e leveza e são uma das águas lisas mais conhecidas em Portugal".

"A ser verdade, a queda de volume de vendas da marca só pode ser consequência de uma atitude deliberada da empresa de desvalorização e falta de promoção, visando o encerramento desta unidade, que era já falado", consideram.

A empresa justificou a decisão com "a quebra significativa de volumes ao longo dos anos, considerando a baixa procura pela marca nos mercados externos e interno".

Existe "uma tendência de queda de volumes da marca ao longo desta década - na ordem dos 50% -, encontrando-se a produção atual em cerca de um terço da capacidade total desta unidade", adiantou o grupo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.